Publicidade
20/01/2018
Login
Entrar

Economia

14/11/2017

Votarantim dá salto no lucro líquido

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O conglomerado industrial Votorantim teve salto no resultado do terceiro trimestre, impulsionado por melhora dos preços de commodities como metais, celulose e laranja, além do recuo menor na demanda por cimento no Brasil e crescimento em países como Estados Unidos e Turquia.

O grupo teve lucro líquido de R$ 519 milhões, avanço sobre os R$ 149 milhões obtidos um ano antes. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 1,3 bilhão, em linha com o mesmo período de 2016. A relação de endividamento caiu de 4,29 para 3,01 vezes em termos pro-forma, que incluem ingresso no quarto trimestre de recursos de venda de ativos e do IPO do negócio de mineração.

Para o quarto trimestre, a avaliação do vice-presidente financeiro, Sergio Malacrida, é de crescimento no desempenho do grupo tanto na comparação trimestral como na relação anual.
“Se tudo o mais se mantiver constante, deveremos ter um resultado melhor no quarto trimestre, até porque no ano passado tivemos impacto de efeitos não recorrentes que não espero que se repitam neste trimestre”, disse. “O quarto trimestre também costuma ser melhor sazonalmente que o terceiro”, acrescentou.

Segundo ele, dos três termômetros da economia operados pela Votorantim no Brasil - alumínio, aço e cimento - apenas o último ainda não começou a sentir efeitos mais pronunciados da melhora da economia. “Cimento tem um atraso natural..Vai demorar um pouco para começarmos a sentir a retomada”, disse Malacrida.

Na semana passada, o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic) informou queda de 0,5% nas vendas de cimento no País em outubro, sobre um ano antes, estimando queda de 6% a 7% em 2017 e estabilidade em 2018. É essa lentidão na retomada do consumo de cimento no Brasil que tem segurado os planos de IPO da unidade, principal do grupo Votorantim, disse Malacrida.

A Votorantim Cimentos fechou setembro com ociosidade de cerca de 50% de sua capacidade de produção no Brasil, de 34 milhões de toneladas por ano. Sessenta por cento das vendas da unidade no Brasil ocorrem em sacos e são destinadas ao chamado “comércio formiga”, de pequenas obras, que dependem da recuperação da renda da população.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/01/2018
Empresário mineiro segue mais confiante
Em janeiro, o Icei-MG chegou a 50,7 pontos, o melhor resultado para o mês nos últimos sete anos
20/01/2018
Montadoras reivindicam créditos tributários
Brasília - Com o fim do Inovar Auto em dezembro e sem definição do novo programa automotivo, chamado de Rota 2030, as empresas de automóveis tentam que os...
20/01/2018
Índice de investimentos de empresas caiu 0,7% em novembro ante outubro
Brasília - O indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), divulgado na sexta-feira, 19, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), sofreu uma queda de...
20/01/2018
Faturamento recua no interior de Minas
Quatro regionais apresentaram queda na receita em novembro, conforme levantamento da Fiemg
20/01/2018
Exportações mineiras devem continuar em alta em 2018
Especialistas estimam aumento de 7%
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.