15/07/2018
Login
Entrar

Economia

14/11/2017

Votarantim dá salto no lucro líquido

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - O conglomerado industrial Votorantim teve salto no resultado do terceiro trimestre, impulsionado por melhora dos preços de commodities como metais, celulose e laranja, além do recuo menor na demanda por cimento no Brasil e crescimento em países como Estados Unidos e Turquia.

O grupo teve lucro líquido de R$ 519 milhões, avanço sobre os R$ 149 milhões obtidos um ano antes. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 1,3 bilhão, em linha com o mesmo período de 2016. A relação de endividamento caiu de 4,29 para 3,01 vezes em termos pro-forma, que incluem ingresso no quarto trimestre de recursos de venda de ativos e do IPO do negócio de mineração.

Para o quarto trimestre, a avaliação do vice-presidente financeiro, Sergio Malacrida, é de crescimento no desempenho do grupo tanto na comparação trimestral como na relação anual.
“Se tudo o mais se mantiver constante, deveremos ter um resultado melhor no quarto trimestre, até porque no ano passado tivemos impacto de efeitos não recorrentes que não espero que se repitam neste trimestre”, disse. “O quarto trimestre também costuma ser melhor sazonalmente que o terceiro”, acrescentou.

Segundo ele, dos três termômetros da economia operados pela Votorantim no Brasil - alumínio, aço e cimento - apenas o último ainda não começou a sentir efeitos mais pronunciados da melhora da economia. “Cimento tem um atraso natural..Vai demorar um pouco para começarmos a sentir a retomada”, disse Malacrida.

Na semana passada, o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic) informou queda de 0,5% nas vendas de cimento no País em outubro, sobre um ano antes, estimando queda de 6% a 7% em 2017 e estabilidade em 2018. É essa lentidão na retomada do consumo de cimento no Brasil que tem segurado os planos de IPO da unidade, principal do grupo Votorantim, disse Malacrida.

A Votorantim Cimentos fechou setembro com ociosidade de cerca de 50% de sua capacidade de produção no Brasil, de 34 milhões de toneladas por ano. Sessenta por cento das vendas da unidade no Brasil ocorrem em sacos e são destinadas ao chamado “comércio formiga”, de pequenas obras, que dependem da recuperação da renda da população.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

14/07/2018
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Recuo foi apurado na comparação com igual período de 2017
14/07/2018
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Companhia anunciou reabertura de eurobonds lançados no ano passado com vencimento em 2024
14/07/2018
Arrecadação da Cfem em Minas tem aumento de 44%
Os R$ 405,4 mi do 1º semestre de 2017 subiram para R$ 584 mi
14/07/2018
Aposentadoria preocupa brasileiros
País é o que tem maior temor quanto a perda de benefícios
14/07/2018
TJ suspende operação financeira do governo de MG
AGE deve recorrer da decisão
› últimas notícias
JPMorgan encerra trimestre com receita 6,5% maior e lucro acima das expectativas
Setor de serviços encolhe 6,7% em maio em Minas Gerais
Cemig pretende alongar prazo de dívida
Faemg concede Medalha do Mérito Rural aos que contribuem com a agropecuária
Mercado de eventos dribla a crise em Belo Horizonte
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


14 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.