21/06/2018
Login
Entrar

Economia

08/12/2017

Vulcabras investirá R$ 100 mi em suas três fábricas em 2018 para ganhar em produtividade

Reuters
Email
A-   A+
São Paulo - A fabricante de calçados Vulcabras retomou investimento em seu parque fabril e está se preparando para reativar sua marca voltada ao público feminino Azaleia, aproveitando recursos de uma recente oferta de ações e a recuperação da economia.

A companhia prevê investir cerca de R$ 100 milhões em renovação de equipamentos de suas três fábricas, a maior parte em 2018, algo que não era feito há cinco anos diante das dificuldades financeiras que levaram o grupo a uma reestruturação que culminou com uma oferta de ações de quase R$ 700 milhões no fim de novembro e a entrada da empresa no segmento Novo Mercado da B3, informou o presidente-executivo, Pedro Bartelle.

A empresa, criada há 65 anos e controlada pela família de Bartelle, acumula neste ano uma valorização na B3 de cerca de 250%, atingindo no terceiro trimestre a maior margem de lucro operacional do setor, de 24%.

O desempenho marca uma virada geradapor plano de reestruturação executado entre 2012 e 2015 em conjunto com a consultoria Galeazzi, após a empresa ser pressionada por forte volume de importações e competição de preços irracional fomentada pela conjugação da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 no Brasil.

Entre 2011 e 2012, a dívida da Vulcabras, que disputa mercado com grupos como Alpargatas e Grendene, era de R$ 1,1 bilhão e a expectativa de Bartelle, que assumiu como presidente-executivo em 2015, é que a linha caia para perto de zero até o final de deste ano.

“Vamos começar a modernizar nosso parque fabril depois de cinco anos e vamos ganhar em produtividade, vamos aplicar R$ 100 milhões, a maior parte em 2018... O nosso foco está em crescimento sustentável”, disse Bartelle, estimando que o mercado brasileiro de calçados, quarto maior do mundo e que comercializa 800 milhões de pares por ano, poderá dobrar de tamanho no curto prazo.

As principais marcas da companhia são Olympikus, que é a mais vendida de calçados esportivos do País, segundo dados de levantamento Kantar Worldpannel citados por Bartelle, e Azaleia. A primeira é responsável por cerca de 80% do faturamento do grupo, que apurou de janeiro ao fim de setembro receita de R$ 948 milhões. A Azaleia produz menos que 20% do faturamento do grupo.

“A Azaleia é uma marca adormecida que precisa ser reativada... A Azaleia vende hoje cinco vezes menos que no início dos anos 2000”, disse Bartelle, citando que a estratégia da companhia nesta recuperação da tradicional marca feminina está centrada em mídias sociais e aceleração de renovação de coleções.

Mercado - Dentro do plano de crescimento, a Vulcabras deverá manter seu foco sobre a América Latina, onde mantém 70 lojas na Colômbia, Peru e Chile, disse Bartelle. A empresa não tem lojas no Brasil, mas pode vir a investir em abertura de pontos de venda no País no futuro, afirmou o executivo sem mencionar prazo.

Segundo Bartelle, o Brasil tem cerca de 25 mil pontos físicos de venda de calçados e a Azaleia está presente em menos de 10 mil deles. Para ajudar no crescimento, a empresa criou neste ano um departamento independente focado no desenvolvimento da marca feminina, algo que deverá produzir “frutos no ano que vem”, com a chegada da nova coleção.

“No feminino, as marcas lançam coleções novas quase todos os meses e estamos um pouco atrás nisso”, disse Bartelle. Ele acrescentou que atualmente o preço médio da Azaleia fica entre R$ 70 e R$ 100 e que a Vulcabras pretende reposicionar a marca para ficar mais perto do topo da variação.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/06/2018
Conselho da Vale aumenta cautela após desastre da Samarco, em Mariana
São Paulo - O rompimento, em novembro de 2015, de uma barragem da Samarco, empresa na qual a Vale é sócia junto à anglo-australiana BHP Billiton, elevou muito o...
21/06/2018
Confiança do empresário recua 6,7 pontos
Resultado apurado em Minas cai de 54,2 pontos em maio para 47,5 pontos em junho, segundo a Fiemg
21/06/2018
Pesquisa aponta que 92% das empresas do País esperam mais receita e patrimônio até 2020
São Paulo - Apesar do momento de incertezas no mercado, as empresas brasileiras acreditam que, até 2020, conseguirão ampliar a receita líquida e o patrimônio....
21/06/2018
Presidente Temer afirma que Brasil abriu mais 33 mil vagas formais de emprego em maio
Brasília - O Brasil abriu mais de 33 mil vagas formais de emprego em maio, com forte desaceleração em relação ao mês anterior, segundo o Cadastro Geral de...
21/06/2018
BMB investirá R$ 107 mi em planta de Itaúna
Objetivo da Belgo-Mineira Bekaert é ampliar a capacidade de produção de cabos de aço para reforço de pneus
› últimas notícias
Conselho da Vale aumenta cautela após desastre da Samarco, em Mariana
Confiança do empresário recua 6,7 pontos
Pesquisa aponta que 92% das empresas do País esperam mais receita e patrimônio até 2020
Presidente Temer afirma que Brasil abriu mais 33 mil vagas formais de emprego em maio
BMB investirá R$ 107 mi em planta de Itaúna
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


21 de junho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.