Publicidade
27/05/2018
Login
Entrar

DC Inovação

06/12/2017

Walory fecha parceria com Drogaria Araujo

Daniela Maciel
Email
A-   A+
Drogaria Araujo tem, hoje, mais de 200 unidades espalhadas por Minas Gerais/Alisson J. Silva
Apesar do orçamento apertado e do rígido controle de gastos, as famílias brasileiras não abriram mão do consumo de itens de higiene e beleza. Os percalços econômicos, porém, fizeram com que muitos consumidores fizessem a substituição de marca e voltassem o olhar para produtos nacionais.

É nesse contexto que a startup paulista Walory começou a desenvolver sua linha de produtos profissionais em 2014 e as vendas em 2016. Um diferencial é que os produtos são vendidos no varejo para o consumidor final e não apenas em casas direcionadas para profissionais. Por enquanto são 13 produtos no mix.

Os esforços da empresa se voltam, agora, para o lançamento da linha em Minas Gerais. A estratégia escolhida foi uma parceria de exclusividade com a Drogaria Araujo, com mais de 200 unidades espalhadas pelo Estado.

De acordo com a sócia-fundadora da Walory, Tatiana Mancini, a entrada no mercado mineiro é fundamental para o sucesso da empresa. “Estamos abrindo o mercado nacional e ter um parceiro como a Araujo é fundamental. Escolhemos redes locais líderes na venda de dermocosméticos. No caso da rede mineira existe toda a credibilidade da marca, que conta com o carinho da população”, explica Tatiana Mancini.

A Walory surgiu com o objetivo de desenvolver no Brasil o conceito internacional de “home care”. Foram investidos R$ 5 milhões neste ano. As formulações criadas com exclusividade para a marca são produzidas por diferentes indústrias homologadas. “Importamos embalagens e matéria-prima. Buscamos ingredientes nobres que fazem com que os produtos tenham uma ótima performance sempre no sentido do tratamento capilar, sendo multifuncionais. Entendemos que esse era o momento para investir. Mesmo em dificuldade, o mercado brasileiro é um dos mais importantes do mundo. E, nesse momento que o consumidor se volta para os produtos nacionais, era hora de oferecer uma linha de produtos inovadora”, afirma a sócia-fundadora da Walory.

É certo que o resultado do setor encolheu em 2016 na comparação com 2015. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o resultado do ano passado gerou otimismo, com uma leve recuperação, fechando 2016 com 6% de queda real, frente -9% em 2015. Mesmo com tantas dificuldades, o Brasil é o quarto mercado consumidor do mundo, movimentando US$ 29,3 bilhões no ano passado. De outro lado, o consumo de produtos premium manteve a tendência de crescimento. Levantamento da consultoria Euromonitor mostrou que, em 2016, as vendas desse tipo de produto teve alta de 9,1%, enquanto os populares avançaram 4,4%. A tendência começou no ano anterior, quando os itens mais sofisticados registraram aumento de 16,6% nas vendas e os cosméticos de massa tiveram queda de 1,3%.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

16/03/2018
Americana Airfox investe US$11,5 mi na expansão para o País
Negócio promete crédito sem burocracia às classes D e E
16/03/2018
Anjos do Brasil fecha acordo com o WBAF
Receber investimento anjo no Brasil é a aspiração de quase todas as startups. Mas receber aporte de um investidor no exterior, que traz consigo know how para a...
16/03/2018
BeeCâmbio negocia 22 moedas on-line
Comprar moeda estrangeira em Belo Horizonte ficou mais fácil com a chegada da startup paulista BeeTech à Capital. Por meio do seu produto BeeCâmbio, a empresa oferece a compra e...
21/02/2018
Empresas tradicionais se rendem à cultura das startups
Desejo de mudança acontece quando elas se sentem ameaçadas
21/02/2018
Seed impacta economia gerando emprego e negócios
Considerado um dos maiores projetos públicos de aceleração de startups da América Latina, o Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development (Seed) deve abrir, nas...
› últimas notícias
Nível de atividade recua em Minas, mas há otimismo
Roscoe defende redução de tributos, juros e burocracia
FMI prevê expansão do PIB em 2%
Especialistas não veem desaceleração econômica
Níveis de atividade e emprego do setor caem
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


26 de maio de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.