Crédito: Reuters/Dado Ruvic/Illustration

Washington – Um alto funcionário do Facebook que supervisiona o lançamento da criptomoeda libra planeja dizer aos legisladores dos Estados Unidos (EUA) que a empresa não lançará a moeda digital até que as preocupações e aprovações regulatórias estejam totalmente resolvidas.

David Marcus, que supervisiona os esforços de blockchain do Facebook, também planeja prometer que a libra não está sendo construída para competir com moedas soberanas ou interferir na política monetária.

“A Associação Libra, que irá administrar a Reserva (Libra), não tem intenção de competir com quaisquer moedas soberanas ou entrar na arena da política monetária”, disse Marcus, segundo o testemunho preparado para o Comitê Bancário do Senado dos EUA. “A política monetária é propriamente a área dos bancos centrais”.

Marcus acrescenta no depoimento que a Associação Libra, o grupo de empresas por trás da criptomoeda liderada pelo Facebook, planeja se registrar como uma empresa de serviços financeiros na Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) e espera colaborar completamente com as regras do Bank Secrecy Act e regras contra lavagem de dinheiro.

Desde o anúncio da libra, no mês passado, o Facebook tem enfrentado um fluxo constante de críticas e ceticismo de formuladores de políticas monetárias em todo o mundo, que citam preocupações sobre segurança de dados, lavagem de dinheiro e proteção ao consumidor. Marcus está programado para depor hoje e amanhã perante os comitês do Congresso que supervisionam questões financeiras, onde vários membros sugeriram que a moeda seja barrada.

Corrida pela liderança – Embora prometa que a Libra vai aderir a leis e regulamentos relevantes, Marcus tentará vender aos legisladores os méritos da moeda, argumentando que os Estados Unidos não deveriam sufocar tal inovação.

“Estou orgulhoso de que o Facebook tenha iniciado esse esforço aqui nos Estados Unidos”, diz ele no depoimento.

“Acredito que, se os EUA não liderarem a inovação na área de moedas e pagamentos digitais, outros o farão. Se deixarmos de agir, poderemos ver, em breve, uma moeda digital controlada por outros, cujos valores são dramaticamente diferentes”. (Reuters)