LUIZ CASTANHEIRA POLIGNANO*

A mecânica da inovação corporativa é uma metáfora que temos utilizado para explicar “os teoremas que regem a inovação” a partir deles e teoremas da física mecânica, e assim facilitar a compreensão de aspectos não visíveis essenciais para fazer a inovação vingar nas organizações.

No primeiro ensaio dessa série, tratamos da semântica da inovação, conceituando a Inovação 360© como o somatório de todas as inovações empreendidas por uma organização, assim como a força resultante de Newton é o somatório das forças vetoriais aplicadas a um corpo. No ensaio anterior desmembramos a Inovação 360© (assim como a intensidade da força, pela Segunda Lei de Newton, é o produto da massa pela aceleração) como o produto entre os fatores determinantes organizacionais e as conexões com o ecossistema. Nesse ensaio, discorreremos sobre o impulso que uma empresa pode ter ao praticar a inovação sistematicamente durante um intervalo de tempo.

A física mecânica já demonstrou que o impulso de um corpo é gerado pela força resultante aplicada sobre ele durante um intervalo de tempo, ou seja, quanto maiores a intensidade da força e o intervalo de tempo, mais forte será o impulso. Da mesma forma, as empresas buscam por algo que lhes impulsione na direção da modernidade, da contemporaneidade. Podemos denominar esse impulso objetivado pelas organizações de transformação corporativa.

A transformação corporativa será cada vez maior à medida que a inovação praticada pela empresa seja mais intensa e o tempo de exercício seja mais duradouro. A analogia da inovação 360© com o impulso físico pode ser visualizado na figura a seguir.

A figura também expõe o ciclo de gestão da inovação. Esse ciclo gerencial inicia com a investigação de cenário (investigação da qualidade dos fatores determinantes e das conexões com o ecossistema), passando pela definição do portfólio (conjunto de iniciativas inovadoras estruturadoras e geradoras de valor) e pela estruturação do ambiente (organização das pessoas, do orçamento e do projeto para inovar), alcançando o gerenciamento das iniciativas (gerenciamento das iniciativas inovadoras).

Note que a intensidade da inovação será ditada pelo conjunto de iniciativas inovadoras identificadas e empreendidas. Da mesma forma, o número de giros praticados irá definir o intervalo de tempo que a força transformadora será empregue. Quanto mais robusto o portfólio de iniciativas inovadoras praticado e maior o tempo de condução do programa (giros do ciclo), mais intensa será a transformação corporativa, ou seja, maior o impulso sofrido pelo negócio.

A inovação pode ser praticada sob várias roupagens: desenvolver um produto novo a partir de pesquisas colaborativas com consumidores, apostar em novos negócios via estratégias de M&A, tornar os processos mais eficazes ao adotar práticas da indústria 4.0, atrair startups para resolver desafios organizacionais, adotar um programa de aceleração conectado ao mercado, construir novas estratégias de relacionamento com o cliente via Customer Experience, criar um centro de PDI colaborativos com universidades, implantar setor de tecnologia da informação orientado pela transformação digital etc. Todos esses caminhos são interessantes, provocam mudanças importantes e podem trazer bons resultados para o desempenho do negócio. Nenhum deles isoladamente e praticado por tempo escasso será suficiente para transformar uma organização.

A transformação organizacional ocorrerá com a prática equilibrada e persistente desses diferentes caminhos, utilizados de forma estruturada e dosada, no momento certo, de maneira engajada para fortalecer o portfólio de inovações.

Inovar não é uma missão fácil, transformar a organização é ainda mais difícil. É uma tarefa que exige criatividade, estratégia, relacionamento, empreendedorismo, funding e gestão, além de persistência. Engana-se aquela empresa que crê em sua transformação apoiada única e exclusivamente num único caminho. Ledo engano!

A transformação corporativa, impulso demandado e necessário para alinhar nossas empresas ao que há de mais sofisticado e lucrativo no ambiente de negócios, terá grandes chances de êxito caso a Inovação 360© seja aplicada em sua essência, durante o maior intervalo de tempo possível. A física mecânica já nos demonstrou a fórmula que funciona. A ciência, fiel escudeira da inovação, se faz presente para não nos deixar sermos enganados pelas promessas de facilidades.

*Sócio-diretor da DMEP