Com maior espaço para armazenagem, expectativa dos produtores é escolher melhor hora para a venda - Agrobanco/Divulgação

A produção crescente de grãos e as expectativas positivas em relação ao mercado incentivaram os investimentos do Agrobanco, empresa especializada na armazenagem de grãos para atender à produção agrícola do Sul de Minas Gerais. Com sede em Três Corações, na região Sul do Estado, a empresa ampliou a capacidade de armazenamento com a aquisição de um novo silo. Com o investimento, cujo valor não foi divulgado, a capacidade total de estocagem foi ampliada em 50%.

De acordo com o gerente de gestão do Agrobanco, Fábio Kinsch, a demanda por espaços para o armazenamento de grãos na região Sul do Estado é crescente e a empresa já tinha planos de expansão. A princípio, a ideia era adquirir um espaço e construir mais unidades de armazenamento. Porém, surgiu a oportunidade de adquirir a unidade pronta e próxima à sede da empresa.

“Estávamos avaliando algumas oportunidades, mas durante o processo foi colocado um silo à venda na mesma região. Como estávamos operando na capacidade máxima e queríamos expandir a nossa operação, optamos pela aquisição”, explicou Kinsch.

Segundo o gerente comercial do Agrobanco, Pedro Iabrudi, com a compra do espaço, a capacidade de armazenamento de grãos da empresa será ampliada em 50% passando de 1 milhão de sacas de 60 quilos para 1,5 milhão de sacas por ano. As expectativas em relação à ocupação dos silos são positivas e o volume de 1,5 milhão de sacas deve ser alcançado já em 2019, com a colheita da safra de grãos.

Até a aquisição do novo espaço de armazenagem, o Agrobanco contava com uma área de 11 mil metros quadrados, onde está uma estrutura de seis silos: quatro com capacidade para 110 mil sacas cada, e outros que armazenam 12 mil e 5 mil, respectivamente. A nova unidade, que tem o dobro do tamanho da primeira, agrega mais um silo para 80 mil sacas e um silo pulmão (tipo aerado que conserva os grãos enquanto aguardam a secagem) capaz de estocar 10 mil sacas.

“A aquisição foi importante para ampliar a nossa capacidade física. Ganhamos dinamismo para receber operações maiores”, disse Iabrudi.

Entre os produtos que são armazenados no Agrobanco estão o milho, a soja e o trigo, produções que estão conquistando espaço nas lavouras da região Sul de Minas.
Iabrudi explica que a produção de grãos no Sul de Minas vem sendo diversificada ao longo dos últimos anos e os aportes em tecnologia têm contribuído para a expansão da produtividade. Esses fatores devem ampliar a demanda por espaços de armazenagem, o que foi importante para a decisão de investir na ampliação das estruturas de silos.

“A produção de grãos no Sul de Minas vem crescendo na produtividade e na área, principalmente em espaços antes dedicados às pastagens. Nossos clientes que investiam somente no café e trigo, agora plantam também soja e milho. Estamos otimistas e acreditamos que, com a colheita da safra que esta prestes a ser plantada, vamos alcançar, em 2019, a capacidade máxima de armazenamento”, explicou Iabrudi.

Negócios – Outro fator que deve estimular a busca pelos serviços prestados pelo Agrobanco é a oportunidade de armazenar a safra e buscar o melhor período para negociar a produção no mercado. O pagamento pelos serviços pode ser feito em dinheiro ou com a entrega do produto. O número de clientes, cerca de 400, deve ser mantido no próximo ano.

“A oportunidade de armazenar a safra é muito interessante para o produtor, que terá como fazer um planejamento melhor e escolher a hora adequada para a venda. No período de entressafra, por exemplo, os preços praticados no mercado são bem mais valorizados”, explicou o gerente de gestão do Agrobanco, Fábio Kinsch.