Empresa quer 100% das operações alimentadas por fonte renovável - Valter de Paula

São Paulo – A Ambev firmou parceria com a empresa paranaense Alexandria para construção de uma usina solar em Uberlândia (MG), que abastecerá todos os 13 centros de distribuição e pontos de apoio da cervejaria em Minas Gerais com energia limpa, dando mais um passo em direção à meta de ter 100% das operações brasileiras alimentadas por fontes renováveis.


“Estamos fazendo um estudo de viabilidade para o País inteiro, não só em energia solar, mas em diferentes fontes renováveis. Escolhemos Minas Gerais para começar por ser um dos estados mais viáveis e onde conseguiríamos acelerar mais o projeto”, contou à Reuters o diretor de sustentabilidade e suprimentos da Ambev, Fernando Petersen.


De acordo com ele, a cervejaria já discute internamente a expansão da iniciativa para outros estados e estuda os parceiros e as fontes de geração mais adequadas para cada caso. “Estamos discutindo qual tipo de geração de energia por região faz mais sentido. No Sul, por exemplo, talvez a solar não seja a mais adequada”, explicou o executivo.


Em Minas Gerais, o acordo segue um modelo conhecido no mercado como geração distribuída, e o investimento na construção da usina será feito pela Alexandria, que desembolsará cerca de R$ 7 milhões no projeto e, em contrapartida, receberá da Ambev 75% do valor correspondente à energia gerada por um prazo de dez anos. Depois disso, a usina passará a ser da cervejaria.


“Nós implementamos a usina para o cliente e depois de amortizarmos o investimento ao longo desses dez anos a transferimos para eles. Nosso propósito é empoderar os clientes para produzirem a própria energia”, acrescentou o presidente da Alexandria, Alexandre Brandão.


Além de energia solar, a companhia sediada em Curitiba, que afirma ser uma fintech e atua na construção de usinas de energia a custo zero e outras soluções tecnológicas, também desenvolve projetos com fontes de geração eólica e biogás, tendo ainda entre os clientes grupos como Pátria Investimentos e Positivo.


Brandão revelou que o projeto com a Ambev compreenderá 5.340 painéis solares, com alguns componentes importados da China e de outros países, além dos fabricados pela própria Alexandria. Ainda de acordo com ele, as conversas com a cervejaria se estenderam por mais ou menos um ano e o contrato foi assinado em meados de outubro.


Caminhões elétricos – Segundo Petersen, da Ambev, a usina solar de Uberlândia e as outras que serão construídas nos próximos anos vão complementar a iniciativa de caminhões elétricos que vem sendo desenvolvida com a Volkswagen Caminhões e Ônibus.


A parceria com o grupo alemão foi anunciada em agosto e prevê o uso de, pelo menos, 1.600 caminhões elétricos até 2023, de modo que 35% da frota que atende a fabricante de bebidas seja composta por veículos movidos a energia limpa.


“Já estamos fazendo cálculo de estrutura e capacidade de geração de energia, e a ideia é que essas usinas abasteçam também os caminhões elétricos”, afirmou o diretor de sustentabilidade e suprimentos da Ambev, acrescentando que a instalação em Uberlândia deverá gerar entre 1.800 e 1.900 kWp de energia, evitando a emissão de 1.910 toneladas de CO2.


A companhia intensificou, nos últimos anos, os esforços para desenvolver práticas mais sustentáveis de negócios, tendo como objetivo final ter 100% das operações utilizando energia limpa. Entre 2013 e 2017, a cervejaria investiu cerca de R$ 1 bilhão em projetos de sustentabilidade. (Reuters)