A Anac interditou totalmente as operações no Aeroporto do Vale do Aço devido à falta de segurança da pista - Foto: Guilherme Bergamini

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) interditou ontem, totalmente, a pista do Aeroporto Regional do Vale do Aço, conhecido como Aeroporto de Ipatinga. Por meio de nota, a Anac informou que não é possível garantir que o aeródromo reúne condições seguras para receber voos. O órgão abriu processo administrativo para avaliação de aplicação de medida cautelar ao aeroporto. Problemas na estrutura vieram à tona na última semana, quando a Azul Linhas Aéreas interrompeu seus voos no Aeroporto de Ipatinga, por tempo indeterminado, devido a problemas detectados na pista. Lideranças políticas e empresariais vêm ressaltando que o aeroporto é de grande importância para a região, onde se concentram grandes indústrias, como Usiminas, Cenibra, Aperam e ArcelorMittal.

Ontem, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) informou que publicará, nos próximos dias, processo licitatório para restauração da pista, por meio do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DEER/MG). A contratação das empresas que realizarão a obra deve ocorrer no menor tempo possível. “A expectativa é de que a regularização do aeroporto ocorra dentro de semanas, com a segurança necessária para os passageiros e funcionários”, diz a nota.

A Setop informou ainda que, assim que foi comunicada sobre a suspensão dos voos da Azul, tomou providências imediatas, incluindo visitas técnicas ao local por equipes do DEER/MG, diálogo com a empresa aérea e lideranças locais.

Segundo a Anac, a interdição total da pista ocorreu após apuração da área técnica da agência sobre problemas existentes nas áreas pavimentadas do aeroporto. “A restrição perdurará até que o operador aeroportuário informe e comprove a correção das não conformidades, ou que tenha implementado as medidas mitigadoras que reduzam o risco a níveis aceitáveis”, diz nota da agência.

Com a interrupção dos voos da Azul, na semana passada, as operações estavam limitadas às do programa Voe Minas, da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge). Mas, com o fechamento total da pista, esses voos também não poderão ocorrer. “Isso só complica ainda mais a vida das indústrias e empresas da região”, disse ontem o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) – Regional Vale do Aço, Flaviano Gaggiato.

O Voe Minas atuava com voos três vezes por semana, fazendo a rota BH/Ipatinga/Valadares e Valadares/Ipatinga/BH. A Azul fazia quatro voos diários entre Ipatinga e Belo Horizonte, com malha reduzida aos finais de semana.

Leia também:

Investidores denunciam conselho da Embraer

Inspeção – Segundo a Anac, o aeródromo foi inspecionado em setembro de 2018, quando foram constatadas as chamadas não conformidades no pavimento da pista de pouso e decolagem e também a sinalização das pistas de táxi. Foi solicitado que o operador aeroportuário enviasse um Plano de Ações Corretivas (PAC) para sanar a situação, o que não foi feito. Com isso, a Anac decidiu pela restrição operacional.

O Aeroporto de Ipatinga está sob responsabilidade do Estado, mas é administrado pela empresa Socicam. Localizado em Santana do Paraíso, próximo a Ipatinga, o aeroporto foi projetado pela Usiminas, que administrou a estrutura até 2016. Depois disso, o aeródromo foi entregue ao Estado. A Socicam informa que opera o Aeroporto de Ipatinga por meio de contrato de prestação de serviço que não contempla a manutenção da pista de voo, procedimento que cabe à Setop.