A Aperam South America, com planta em Timóteo (Vale do Aço), em parceria com a Usimeca, fabricante de bens capital para o setor de limpeza urbana, desenvolveu uma solução em aço inox para aplicação em caminhões coletores de lixo. O produto foi aplicado em 25 caminhões coletores de lixo para a prefeitura de Juiz de Fora, na Zona da Mata, e já está em testes em outras cidades. A solução é fruto da estratégia do grupo de incentivar o aumento do consumo de aço inoxidável no Brasil, ainda considerado baixo.

O engenheiro de Aplicações da Aperam, João Paulo Sarmento Porto, explicou que o produto, aplicado no assoalho dos caminhões coletores de lixo, dobra a vida útil dos equipamentos, aumenta a eficácia no transporte de lixo e traz ganhos ambientais. “Depois de cinco anos, análises demonstraram que essa peça sai cerca de dez vezes mais barata com aço inox comparado ao aço carbono, em função da redução de custos com manutenção”, detalhou.

Porto esclareceu que o assoalho com o aço inox representa em torno de meia tonelada do implemento colocado em cima do chassi dos caminhões de lixo, que consome, ao todo, de 4 toneladas a 4,5 toneladas de aço.

“Porém, era no assoalho que estava o problema, já que o chorume (líquido poluente, originado dos processos biológicos de decomposição do lixo) é agressivo para o aço. O aço inox tem maior resistência à abrasão e à corrosão”, pontuou.

Desde fevereiro do ano passado, a Usimeca vem produzindo equipamentos com aço inox da Aperam nos coletores de lixo. A empresa já entregou peças para 41 caminhões em Bogotá, na Colômbia. Além disso, duas unidades estão em testes em Salvador (BA), outras duas em São Paulo (SP) e uma em São Carlos (SP).

Estratégia – De acordo com o diretor de Desenvolvimento de Negócios da Aperam, Roberto Nardocci, o baseline (fase de planejamento) do projeto de incentivo ao consumo de aços inoxidáveis em diferentes frentes no Brasil começou em 2015. Em 2017, o projeto ganhou corpo, sustentado pelo baixo consumo de aço inox no País. A estratégia foi fundamentada em três pilares: nacionalização, exportações indiretas e inovação.

Os caminhões coletores de lixo, segundo o diretor, são apenas uma das frentes de atuação da empresa nesta direção. A Aperam também produz soluções em aço inox para a mineração, agricultura, usinas de açúcar e álcool, caçambas e caminhões betoneira. “Em 2018, as vendas destes tipos de soluções representaram 6% do total e o crescimento em relação ao baseline do projeto, em 2015, até ano passado foi de 400%”, afirmou.

Só para se ter uma ideia, segundo a Aperam, o inox presente em balões de caminhões betoneiras tem vida útil de 12 anos, enquanto o balão em material tradicional possui vida útil de cerca de cinco anos. “Estamos atentos a demandas de setores diversos, como agronegócio, mineração, saneamento e esgoto, cuja infraestrutura ou equipamentos e máquinas são expostos a condições severas de desgaste físico-químico, abrasão e corrosão”, acrescentou Nardocci.

Perfil – O mercado de aço inox no Brasil guarda um grande potencial, justamente pelo fato de o consumo aparente estar em um patamar considerado baixo, com pouco mais de 1 quilo per capita, metade do que já foi há uma década e inferior a países como México e Turquia, por exemplo.

A Aperam é uma produtora integrada de aços planos inoxidáveis e elétricos, além dos aços planos especiais de carbono. Devido a este perfil de produção, a companhia não tem um concorrente direto instalado no País e, por isso, a maior concorrência para a empresa é com o aço importado, especialmente da China, que produz pouco mais da metade do aço inoxidável do mundo.