São Paulo – A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informou ontem que cinco unidades frigoríficas de carne de frango foram desabilitadas a exportar para a Arábia Saudita, maior importador do produto brasileiro, por razões técnicas.

A associação, que representa os principais produtores de carnes de aves e suína do Brasil, afirmou ainda que 25 unidades continuam autorizadas a exportar aos sauditas, de um total de 58 habilitadas pelo Ministério da Agricultura brasileiro.

Do total de habilitadas, somente 30 embarcavam produtos efetivamente aos sauditas, disse a ABPA, ressaltando que o “impacto, portanto, é sobre cinco plantas frigoríficas”.

O comunicado foi divulgado após a versão online do jornal Folha de S.Paulo revelar que a Arábia Saudita havia desabilitado cinco frigoríficos exportadores.

“As empresas autorizadas constam em uma lista divulgada pelas autoridades sauditas. As razões informadas para a não autorização das demais plantas habilitadas decorrem de critérios técnicos”, informou a ABPA em nota.

“Planos de ação corretiva estão em implementação para a retomada das autorizações”, acrescentou a ABPA, sem deixar claro no comunicado quais frigoríficos foram desabilitados.

BRF e JBS – Segundo a Folha, entre as cinco unidades descredenciadas pelos árabes estão unidades da BRF e JBS. As empresas não comentaram o assunto.

Segundo nota do Ministério da Agricultura do Brasil, o grupo de unidades habilitadas atualmente pelos sauditas respondeu, no ano passado, por 63% do volume das exportações brasileiras de carne de frango para a Arábia Saudita.

O ministério disse ainda que está examinando o relatório da Arábia Saudita, elaborado após missão no ano passado, e encaminhará aos estabelecimentos as recomendações apresentadas. (Reuters)