Uma nova loja do Atacadão requer investimento entre R$ 30 milhões e R$ 40 milhões - Divulgação

São Paulo – O Atacadão, bandeira do Carrefour Brasil que mais cresce no País, cumpriu a meta de abrir 20 novas lojas este ano e deve manter esse ritmo de expansão orgânica por pelo menos mais três a quatro anos, em meio à entrada de novos participantes no segmento de atacarejo.

“Nos últimos 10 anos temos mantido investimento, não importa o que aconteça. Serão 20 lojas por ano enquanto tiver espaço nesses mercados”, afirmou o diretor-presidente do Atacadão, Roberto Müssnich.

Atualmente, a bandeira emprega cerca de 45 mil funcionários em todo o Brasil, com 166 lojas de autosserviço e 27 atacados de entrega. E estão em andamento as obras para inauguração de mais 10 lojas ainda no primeiro semestre de 2019.

“Temos 10 lojas em construção e pretendemos começar as obras de outras duas até o fim do ano”, disse o executivo, que já atuava no Atacadão antes mesmo da bandeira ser adquirida pelo Carrefour Brasil em 2007.

No início de dezembro, o grupo varejista francês informou que manterá no próximo ano os investimentos em R$ 1,8 bilhão, mesmo montante desembolsado em 2018, com uma parte significativa dos recursos destinada ao crescimento orgânico do atacarejo.

De acordo com Müssnich, o valor investido na abertura de uma nova loja do Atacadão depende muito do preço pago pelo terreno, mas uma unidade com área média de 6.300 metros quadrados requer entre R$ 30 milhões e R$ 40 milhões. “Para o ano que vem, vamos manter uma expansão equilibrada entre capitais, interior e novos mercados”, contou.

Para o executivo, já é perceptível a melhora da confiança entre os consumidores e, mesmo com uma eventual migração de consumo para outros formatos supermercadistas em meio à retomada econômica, o Atacadão deve entregar bons resultados em 2019, apoiado em seu plano de expansão e em um cenário inflacionário provavelmente positivo.

“Quando tens um pouco mais de folga no bolso, podes buscar outras alternativas em super e hiper, mas acho difícil quem provou a eficiência do nosso modelo mudar o hábito de compra de suprimento mensal”, explicou Müssnich.

No acumulado de janeiro a setembro, as vendas brutas do Atacadão cresceram 8,5% na comparação anual, para R$ 26,9 bilhões, conforme balanço trimestral divulgado em 7 de novembro.

O resultado supera em mais de 52% o faturamento bruto do principal concorrente no atacarejo, o Assaí, do grupo GPA, que atingiu R$ 17,6 bilhões nos nove primeiros meses deste ano.

Questionado sobre a entrada de novos competidores no segmento, o diretor presidente do Atacadão reconheceu que o modelo de negócios vem sendo bastante copiado nos últimos três a quatro anos, mas ressaltou que a liderança da companhia no mercado não está ameaçada.

Um dos mais recentes grupos a manifestar intenção de entrar no atacarejo foi a Advent International, que após comprar em junho 80% das operações do Walmart no Brasil anunciou planos de converter os formatos de lojas existentes da rede norte-americana.

“Somos os pioneiros desse modelo e o segredo é ser antigo, mas não ficar velho… Só que realmente nos últimos dois a três anos, o modelo do Atacadão foi muito copiado e surgiram muito competidores regionais, locais e nacionais”, comentou Müssnich.

Natal – Na avaliação de Müssnich, o desempenho de vendas do Atacadão no Natal deste ano certamente será superior ao do ano passado, quando a deflação dos alimentos pesava sobre os resultados.

Tradicionalmente, disse o executivo, a segunda quinzena de dezembro é mais forte que a primeira, mas os primeiros dias do mês foram satisfatórios.
“Sentimos é que dezembro não está decepcionando e traz um pouco desse espírito de otimismo… A primeira quinzena foi boa e temos dentro do cenário 20 novas lojas para alavancar esse crescimento”, afirmou.

Ele acrescentou que o Atacadão está concluindo neste mês na unidade da Vila Maria, bairro da cidade de São Paulo, testes de um caixa de alta velocidade e começará em breve a analisar a implementação do projeto em outras lojas.

O equipamento de tecnologia alemã, que possui 16 câmeras que escaneiam todos os lados de caixas e produtos avulsos colocados pelo cliente em uma esteira automática, foi lançado em julho pela bandeira.

Às 14:05 de ontem, as ações do Carrefour Brasil, que não compõem o Ibovespa, subiam cerca de 1%, a R$ 18,09. Em 2018, os papéis acumulam ganho de mais de 21%, enquanto as do GPA subiram quase 4% no ano. (Reuters)