Frente a agosto de 2017, o indicador mostrou um crescimento do Produto Interno Bruto de 1,9% em igual mês de 2018 - Crédito: Paulo Whitaker / Reuters

Rio de Janeiro – O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro avançou 0,2% em agosto, ante julho, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e divulgado ontem. Na comparação com agosto do ano passado, a atividade econômica teve elevação de 1,9% no mês de agosto deste ano.

“Os resultados de agosto apontam, no geral, para a estabilidade do crescimento da atividade econômica”, avaliou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.
O indicador antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais. No trimestre móvel encerrado em agosto, houve crescimento de 1,6% em relação ao trimestre móvel terminado em maio.

Na comparação com o trimestre móvel terminado em agosto de 2017, a atividade econômica apresentou elevação de 1,9% no trimestre até agosto deste ano.

Na comparação interanual, todas as atividades apresentaram taxas positivas no trimestre até agosto, exceto os setores de extrativa mineral (-1,0%) e de construção (-0,1%). O consumo das famílias subiu 2,0%. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) aumentou 3,7%, com crescimento de 3,3% no componente máquinas e equipamentos e alta de 0,3% na construção.

“Chama atenção na decomposição da FBCF a retomada do crescimento da construção civil após cinquenta trimestres móveis com taxas negativas. Nota-se, também, o componente de máquinas e equipamentos importados, que apresenta, desde setembro de 2017, crescimento médio superior a 13%”, completou Considera.

As exportações aumentaram 0,6% no trimestre móvel terminado em agosto, ante o mesmo período do ano anterior. As importações subiram 10,0%. Em termos monetários, o PIB totalizou cerca de R$ 4,598 trilhões em valores correntes de janeiro a agosto.

Confiança industrial – O Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de outubro teve um recuo de 1,3 ponto em relação ao resultado fechado de setembro, para 94,8 pontos, informou a FGV ontem. Se confirmado, o resultado será o mais baixo desde setembro de 2017.

Houve piora tanto nas avaliações dos empresários em relação ao presente quanto nas expectativas para os meses seguintes. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 1,6 ponto em outubro, para 93,6 pontos, a terceira queda consecutiva. Já o Índice de Expectativas (IE) recuou 1,0 ponto, para 96,1 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) da indústria indicou uma redução de 0,8 ponto percentual em relação ao patamar de setembro, passando de 76,9% para 76,1% em outubro.

A prévia dos resultados da Sondagem da Indústria abrange a consulta a 794 empresas, entre os dias 1º e 17 de outubro. O resultado final da pesquisa será divulgado no próximo dia 29 de outubro. (AE)