Ao lado do criador da Turma da Mônica, Maurício de Souza, no 19º Congresso do IBGC, em São Paulo, Valéria Café - Alê Fotógrafo/Divulgação

Para ajudar as empresas a se conhecerem melhor e identificar os ajustes necessários para o bom andamento dos negócios, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) lançou neste ano uma ferramenta on-line e gratuita de autoavaliação direcionada às empresas de capital fechado.

Trata-se de uma Métrica de Governança Corporativa que conta com um questionário com 45 perguntas para que o empresário consiga identificar em qual estágio de evolução a empresa se encontra e até mesmo comparar seu negócio com a amostra total de participantes da Métrica ou com a das empresas do mesmo setor e porte.

Até então, já foram liberados 146 questionários, dos quais 78 empresários já finalizaram a sua autoavaliação. A ideia é também compilar anualmente esses resultados para se ter um parâmetro sobre a governança no Brasil.

“O processo de governança corporativa é muito rico, porque você ajuda a empresa a se reestruturar de forma mais efetiva, ela passa a ser mais transparente e consegue um aporte maior. É comprovado que com o processo de governança as empresas conseguem ser mais eficientes e têm resultados melhores”, contextualiza a superintendente de Vocalização e Influência do IBGC, Valéria Café.

A autoavaliação é composta por cinco dimensões (Sócios, Conselho, Diretoria, Órgãos de Controle e Fiscalização e Conduta) e 15 indicadores. Além disso, há uma dimensão específica para as empresas familiares.

Aprimoramento – Após responder ao questionário, o gestor recebe um relatório que informa, por exemplo, as divergências entre as práticas adotadas e as recomendadas e as indicações dos pontos para o aprimoramento da respectiva governança. Com isso em mãos, é possível precisar em quê a empresa pode melhorar ou fazer ajustes para crescer, se ela precisa de algum aporte, se é o momento de conversar com investidores, etc.

A Métrica está disponível na página do IBGC, organização sem fins lucrativos que promove ações para o desenvolvimento de práticas de governança corporativa dentro das empresas. Com sede em São Paulo, o instituto atua regionalmente por meio de sete capítulos: Minas Gerais, Ceará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.