Foto: Divulgação

São Paulo – Foi-se a época em que o consumo de alimentos carregados de açúcar ou bebida alcoólica com alto teor de álcool era visto como algo “cool”. Atualmente, com uma onda de estilo de vida saudável e responsável, ganham espaço no mercado alimentos e bebidas naturais.

Dados recentes do Euromonitor apontam que o setor de bebidas saudáveis movimentou, no último ano, R$ 7,8 bilhões, com perspectiva de alcançar um faturamento de R$ 8,8 bilhões até 2022. Outro dado relevante é a evidência do fator exportação, já que a cachaça é um produto exclusivamente brasileiro. Mas, espera aí, cachaça? Não estamos falando de bebida saudável e natural?

Sim! Babuxca é uma linha de bebidas à base de cachaça com mel e frutas feita com ingredientes 100% naturais sem nenhum tipo de conservante ou aditivo, por isso, o mel decanta e se encontra no fundo da garrafa. Seu teor alcoólico é de 18,5%, se enquadrando na categoria “bebida alcoólica mista”. Antes de beber é só agitar a garrafa e está pronta para o consumo. Assim, é possível ter um produto de melhor qualidade e saber exatamente o que está bebendo.

Presente em mais de 15 estados e em mais de 500 pontos de vendas (PDVs), inclusive, tendo entrado recentemente, em 118 lojas da rede Pão de Açúcar no Estado de São Paulo. Em três anos de atuação no mercado foram vendidas quase 30 mil garrafas, sendo que a marca registrou crescimento de 111,6% no último ano e por volta de 500% em dois anos. O aporte inicial dos sócios foi de aproximadamente R$ 300 mil. A expectativa é de um crescimento acima de 150% em 2019 em relação a 2018.

Inovando sempre – Depois de dois anos no mercado com a bebida à base de cachaça, mel e limão, a marca inovou e lançou os sabores frutas vermelhas e tangerina com pimenta. Além disso, houve uma inovação nas embalagens, seguindo as principais diretrizes do design gráfico, mas com um apelo moderno e jovem.

Ajzen ainda explica que a startup tem perfil de decisões rápidas e utiliza os melhores fornecedores do mercado para ampliar a atuação nacional e alcançar o público internacional, para tanto, já tiraram os documentos para remeter a bebida aos Estados Unidos, sendo que a primeira leva já foi para a gringa, agora, a ideia é expandir.

E para assegurar sua participação nos mercados nacional e internacional e a qualidade do produto, a bebida já detém o domínio da marca, fórmula e distribuição, o registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a certificação para exportação, emitida pelo Food and Drug Administration, órgão regulador dos Estados Unidos, e também possui o Certificado Kosher de mercadoria apta para o consumo entre os membros da comunidade judaica.

Bebida sustentável, negócio rentável – Dentre as principais preocupações da marca, com o foco em fazer um produto natural, está a sustentabilidade e rentabilidade do negócio. Todos os rótulos das garrafas têm o selo “EuReciclo”. A empresa é responsável por fazer a reciclagem compensatória de 100% das embalagens comercializadas.
Também há parcerias para entregas ecológicas. Em São Paulo, por exemplo, todas as pequenas entregas são feitas de bicicleta com o objetivo de deixar de emitir 113g de CO2 por quilômetro rodado.

A Babuxca abriu oferta pública, por meio de equity crowdfunding, conceito que se trata de um investimento coletivo em que empresas buscam recursos na internet para tornar viáveis seus modelos de negócios inovadores e com grande potencial de crescimento – modelo que vem ganhando força no Brasil. Além da possibilidade de multiplicar o valor aplicado, a iniciativa permite que pequenos, médios e grandes investidores diversifiquem suas formas de investir.

O projeto pretende captar R$ 400 mil em um prazo de até seis meses, conforme previsto pela regulamentação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), por meio da plataforma StartMeUp (www.startmeup.com.br/), com cotas de aporte a partir de R$ 1.000.

O valor captado será investido no crescimento e reforço da marca junto ao público-alvo por meio de ações de comunicação, como: degustação em pontos de vendas (PDVs), participação e realização de eventos, mídias digitais e assessoria de imprensa, produção de material de divulgação, além da ampliação do time comercial, lançamento de produtos e investimento em inovação.

O investidor ingressará em um Contrato de Investimento Coletivo, que estabelecerá as regras, direitos e obrigações, tudo de acordo com as diretrizes da CVM. A empresa captadora de recursos, StartMeUp, é uma das únicas seis do Brasil que tem permissão para fazer este tipo de captação junto à CVM. Os interessados em conhecer os detalhes do projeto podem acessar www.startmeup.com.br para fazer seu aporte.