Total de clientes investidores do banco belo-horizontino atingiu 115 mil no ano passado ante os 34 mil registrados em 2017 - CREDITO: CHARLES SILVA DUARTE

O Banco Inter, sediado em Belo Horizonte, terminou 2018 com 1,45 milhão de correntistas, um salto de 282,3% em relação aos 379,2 mil correntistas do banco ao final de 2017. O número de clientes investidores chegou a 115 mil ao final do ano passado, alta de 238,2% em comparação aos 34 mil do exercício anterior.

Para a superintendente de Relações com Investidores e Planejamento Financeiro do Banco Inter, Helena Lopes Caldeira, o crescimento está atrelado às melhorias feitas ao longo de 2018 na gama de serviços digitais oferecidos, que disponibiliza novas experiências para os clientes, além da gratuidade das contas. “A combinação desses pilares gera uma excelente proposta de valor para o banco”, disse.

Helena Caldeira explicou que o crescimento de clientes investidores em 2018 sobre o exercício anterior reforçou a captação e contribui para a redução do custo de funding do banco. “Crescendo a carteira de crédito, conseguimos manter margens atrativas para o banco e para o cliente. E o crescimento no número de clientes traz uma receita de serviços maior. Uma coisa está lincada à outra”, pontuou.

Também com vistas a aumentar a receita com serviços, a instituição lançou quatro novos serviços ao longo do ano passado: a Plataforma Aberta Inter, o Consórcio Imobiliário, Proteção Financeira para Consignado e Letra Imobiliária Garantida (LIG). Além disso, ontem o banco anunciou a redução da taxa de juros do seu crédito com garantia de imóvel.

O juros, neste caso, caíram de a partir de 1,29% ao mês mais o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para a partir de 1,15% mensais mais o IPCA. A iniciativa faz parte do propósito da instituição de oferecer crédito mais barato para a população e atrair clientes.

“A redução dos juros para este tipo de produto reforça a confiança do banco em operar no setor de crédito imobiliário. Outro motivo que proporcionou a redução dos juros nessa modalidade foi a queda do custo de captação. Hoje, conseguimos passar parte desse ganho para os clientes”, afirmou a superintendente.

Leia também:

Brasil é foco entre emergentes em 2019

Plataforma – Outro exemplo da ampliação dos serviços foi a Plataforma Aberta Inter. Lançada em dezembro passado, os correntistas passaram a encontrar produtos de renda fixa próprios e de terceiros, fundos de investimentos e previdência privada. A Plataforma ainda oferece um home broker 100% gratuito para a negociação de ações sem taxas de custódia ou corretagem, direto pelo aplicativo da conta digital.

O Banco Inter fechou 2018 com 95 mil clientes habilitados para operar na Plataforma. E, segundo a superintendente, a ideia é, gradativamente, ir abrindo este serviço para mais clientes ao longo deste ano.

A instituição financeira foi fundada em 1994, como Banco Intermedium e foi o primeiro banco do varejo a abrir o capital em quase uma década. Hoje, o Banco Inter é um banco digital multisserviços, com plataforma para pessoas físicas e jurídicas. A instituição tem atividades nos segmentos de crédito imobiliário, empresas, consignado e cartão de crédito.