Dados da Boa Vista SPC apontam que as vendas do comércio na Black Friday cresceram 4,7% na comparação com 2017 - Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas

São Paulo – As vendas no e-commerce foram de R$ 2,6 bilhões na Black Friday 2018, alta de 23% em relação ao mesmo evento de 2017, aponta a Ebit Nielsen, empresa especializada em informações sobre o comércio eletrônico brasileiro. O número de pedidos cresceu 13%, para 4,27 milhões, enquanto o tíquete médio expandiu 8% para R$ 608.

O resultado dessa Black Friday ficou acima do esperado. A Ebit Nielsen projetava que o crescimento de vendas seria ser 15% este ano. O número de consumidores únicos (que fez ao menos uma compra online) cresceu 9% em relação ao ano anterior, para 2,41 milhões.
As vendas da sexta-feira, 23, segundo o levantamento, foram dominadas pelos produtos de tíquete médio mais elevado, como smartphones, itens de linha branca e TVs.

Boa Vista – Já os dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que as vendas do comércio na Black Friday cresceram 4,7% em 2018 ante 2017. O avanço superou a projeção da empresa, de alta de 4,5%.

Os dados consideram as consultas do período de 20 (terça-feira) a 24 (sábado) de novembro de 2018, comparadas às consultas realizadas entre 19 a 23 de novembro de 2017. Somente na sexta-feira, a estimativa é que as vendas tenham crescido 5,9% em relação a 2017.

Entre os itens mais vendidos na data, estão os eletrônicos e eletrodomésticos, itens de valor mais elevado.

Além disto, segundo a Boa Vista, os consumidores têm aproveitado as promoções da Black Friday para já anteciparem as compras de Natal, o que também vem favorecendo o movimento do comércio na data.

Ainda assim, de acordo com a Boa Vista SCPC, mesmo diante da antecipação das vendas de Natal para a Black Friday, a melhora do cenário econômico já aponta para um aumento significativo do movimento do comércio na principal data do ano para o setor.

Segundo os economistas da Boa Vista SCPC, o movimento vista na Black Friday reflete melhoras no mercado de trabalho e, especialmente, no mercado de crédito.

Leia também:

Confiança do consumidor avança em novembro

Reclamações – No fim de semana pós-Black Friday, o número de insatisfações registradas no site ReclameAQUI chegou a 6.384, superando as 5.607 feitas entre a quinta e a sexta-feira de promoções. Em comparação com o último ano, quando foram feitas 2.874 queixas no mesmo período, houve aumento de 22%.

De acordo com Felipe Paniago, diretor de operações do ReclameAQUI, o aumento das reclamações no final de semana logo depois da data acompanha o crescimento geral do evento no site. “Se acontecer como todos os anos, a tendência é mudar o perfil das reclamações e, ao invés de queixas sobre propaganda enganosa e maquiagem de preço, os problemas sobre atraso de entrega tendem a aparecer nas primeiras posições. Vamos ficar atentos”, diz.

Até ontem, as lojas mais reclamadas, de acordo com o site que reúne as reclamações, são Americanas.com, Casas Bahia (loja online), Netshoes, Magazine Luiza (loja online), Ifood e Ponto Frio (loja online). E o horário mais crítico de reclamações, somando uma a cada 30 segundos, foi de 0h a 1h, da sexta-feira (23).

São Paulo representa 37,1% do total de reclamações: são 4.949, sendo 2.380 entre a quinta e a sexta-feira e 2.569 entre sábado e domingo. Para Paniago, esse dado pode ser explicado pelo número de consumidores no estado. “Não nos surpreende o Estado de São Paulo ter mais reclamações do que outros estados, porque acompanha o mercado. É a região com mais consumidores e com maior pode aquisitivo, então isso se reflete nas nossas reclamações, como também deve refletir nas vendas”, conclui.

Felipe Paniago explica ainda que o ReclameAQUI ampliou o período de monitoramento das reclamações sobre Black Friday em relação a outros anos para acompanhar o movimento do mercado, que começou cedo a oferecer promoções de Black Friday. Logo a medição que antes começava na tarde da quinta-feira, agora se inicia às 0h desse dia. (AE)