Nova York – A Blackstone, maior gestora mundial de ativos alternativos, informou ontem resultado levemente acima de expectativas de analistas, com um crescimento de 11% no lucro do terceiro trimestre deste ano, impulsionado por alta dos mercados de ações.

O lucro líquido “econômico” da empresa (ENI, na sigla em inglês) para os três meses até setembro foi de US$ 0,76 por unit, em comparação com a previsão média de US$ 0,74, de acordo com a I/B/E/S. Um ano antes, a Blackstone reportou ENI por unit de US$ 0,68.
O ENI reflete o lucro ou prejuízo gerados por ativos no portfólio da Blackstone de acordo com um critério de marcação a mercado e é uma métrica atentamente observada em empresas de investimento de risco dos Estados Unidos.

As oscilações do mercado de ações geralmente afetam o valor de participações em empresas detidas por grupos de private equity por causa da marcação a mercado. O índice de referência S&P 500 subiu 7,2% no terceiro trimestre.

A Blackstone também se beneficiou de uma valorização de 19,9% da Gates Industrial Corporation, na qual detém uma participação majoritária.

“Os ativos sob gestão aumentaram 18% em relação ao ano anterior, elevando o total para um novo recorde de US$ 457 bilhões”, disse em comunicado o presidente-executivo da Blackstone, Steve Schwarzman.

O lucro distribuível – o dinheiro real disponível para o pagamento de dividendos – foi de US$ 769 milhões, acima dos US$ 626 milhões do ano anterior. (Reuters)