MRS usará os R$ 252,4 mi para comprar 15 locomotivas, revitalizar 50 e adquirir vagões - Divulgação

A MRS Logística, com sede em Juiz de Fora (Zona da Mata), contratou financiamento de R$ 252,4 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra de 15 novas locomotivas, a revitalização de outras 50 locomotivas e a aquisição de 577 vagões usados para o transporte de produtos agrícolas, siderúrgicos e contêineres. As informações são do BNDES.

Procurada pela reportagem, a MRS não comentou o assunto nem informou detalhes sobre o financiamento ou sobre quem será a fabricante das novas locomotivas e vagões que serão adquiridos, bem como que empresa fará a revitalização de 50 locomotivas da frota.

Conforme informações já divulgadas pela MRS, a empresa detém cerca de 20% da frota ferroviária nacional, com aproximadamente 18 mil vagões e 730 locomotivas. A malha ferroviária sob tutela da concessionária é conhecida como Malha Sudeste, localizada no eixo RJ-SP-MG.

Ao todo, são 1,6 mil quilômetros de linhas férreas sob a administração da MRS, o que corresponde a cerca de 6% da estrutura nacional, conectando regiões produtoras e grandes centros de consumo a alguns dos mais importantes portos do País, como os de Itaguaí, no Rio de Janeiro, e o de Santos, em São Paulo.

Leia também:

VLI Multimodal terá aporte de R$ 124,6 milhões

Itutinga – A MRS começou a operar uma composição que parte do terminal de Itutinga, no Sul de Minas, e vai até o Porto de Sepetiba, em Itaguaí, no litoral fluminense. A primeira composição, com 40 contêineres, deixou o terminal do município mineiro na última sexta-feira, carregada de um insumo usado na produção de baterias de lítio exportado para a China.

A nova rota é resultado da demanda de um primeiro cliente, cujo nome não foi revelado, para o trecho. Segundo informações da empresa, a demanda anual desse cliente é de 90 mil toneladas e já começaram as negociações para prorrogar o contrato de um ano por pelo menos mais três.

O ciclo da operação, desde o carregamento da composição no terminal de Itutinga, chegada ao porto fluminense e retorno do trem, dura sete dias. Em princípio, conforme a MRS, um trem circulará semanalmente pela malha da empresa. A expectativa é de que nos próximos meses passem a circular dois ou três trens por semana.

A MRS, junto com a Link, parceira da concessionária na operação de terminais, apostou no Terminal de Itutinga para alavancar o transporte ferroviário no Sul de Minas. Com área coberta de 1,5 mil metros quadrados, o espaço é adequado para carregamento de granéis, como manganês e calcário, e, também, contêineres e produtos siderúrgicos.

“A abertura desse novo terminal reforça que estamos no caminho correto. O desafio é entender a região, o mercado, o tipo de terminal e de parceiro que precisamos em cada situação. Com isso, conseguimos buscar novas soluções e, consequentemente, ampliar o leque de segmentos em que podemos atuar”, afirmou, em nota, o gerente de Logística e Soluções Intermodais da MRS, Magela Titoneli.