O BNDES divulgou a lista dos 50 maiores tomadores de empréstimos - Foto: Divulgação

Os recursos disponibilizados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos últimos anos têm sustentado importantes investimentos em Minas Gerais. A instituição divulgou na sexta-feira (18) uma lista com os 50 maiores tomadores de empréstimos desde 2004. Na listagem, empresas com relevantes atividades no Estado, como a mineradora Vale e a montadora Fiat Chrysler Automobiles (FCA), aparecem nas primeiras posições.

De acordo com as informações do BNDES, a Petrobras é o maior tomador de recursos via empréstimos do banco de 2004 a novembro de 2018. Os recursos desembolsados para a estatal chegaram na casa dos R$ 62,4 bilhões. A Vale aparece na quarta posição, com financiamentos da ordem de R$ 22,5 bilhões. A FCA vem na décima posição, com empréstimos de R$ 10 bilhões.

Ainda completam a lista dos 50 maiores tomadores de empréstimos do BNDES a CNH Industrial, na 28ª colocação (R$ 5,8 bilhões); a Anglo American, na 36ª posição (R$ 4,9 bilhões); e a MRS Logística, sediada em Juiz de Fora, em 47º no ranking e financiamento de R$ 3,9 bilhões.

Os financiamentos do BNDES viabilizaram importantes projetos dentro do território mineiro. Entre eles: a expansão da mina Casa de Pedra, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Congonhas (Campo das Vertentes); a implantação da linha de laminação de aços planos na usina de Ouro Branco, do Grupo Gerdau; ampliação da produção na usina de João Monlevade (região Central), da ArcelorMittal; aumento da capacidade da planta da FCA/Fiat em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH); e diversas obras de ampliação e modernização no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins (RMBH).

O projeto que recebeu o maior valor em empréstimos do BNDES dentro do Estado desde 2002 foi a modernização do complexo produtivo de Itabira, na região Central, que pertence ao Sistema Sudeste, da Vale. Ao todo, a instituição emprestou R$ 3,2 bilhões para serem aplicados neste projeto.

A FCA também recebeu recursos do BNDES para aplicar em projetos considerados de grande importância para a montadora. Só para o desenvolvimento de novos modelos, melhoria da eficiência enérgica, um novo centro de distribuição (DI) em Betim, além de projetos sociais e adequação das linhas da planta mineira para novos modelos demandou empréstimos da ordem de R$ 2,2 bilhões.

O BNDES, através de financiamentos, também ajudou a alavancagem de projetos de tecnologia de ponta no Estado. Um bom exemplo é o empréstimo de R$ 201,8 milhões para fomentar a implantação da Unitec Semicondutores, com plantas em Ribeirão das Neves e Contagem, na RMBH.

A empresa fabrica chips semicondutores com aplicação, por exemplo, nas áreas de iluminação pública, gestão de coletores de resíduos, internet das coisas, cartões e etiquetas inteligentes, ciências da vida e rastreamento de produtos.

De 2002 a 2018, o BNDES financiou R$ 39,5 bilhões em projetos dentro do Estado. A indústria foi o maior tomador de empréstimos, com R$ 21,3 bilhões, seguido da área de infraestrutura, com R$ 12,1 bilhões, depois o setor de comércio e serviços, com R$ 5,6 bilhões e, por fim, a agropecuária, com 474,2 milhões em financiamentos no período.