Cor Jésus de Miranda explica que essa é a segunda expansão pela qual a fábrica passa, desde que foi assumida pelo grupo paulista Plasinco - Foto: Jesus de Miranda/Cabelauto

Depois de viver uma reviravolta em sua trajetória, que incluiu processo de recuperação judicial e venda de 90% do seu capital para uma empresa paulista, a indústria de cabos de energia Cabelauto, sediada em Itajubá, no Sul de Minas, vive momento de grande expansão. Amanhã, a empresa vai inaugurar uma nova área de sua planta, que passará de 15 mil metros quadrados para 20 mil metros quadrados. O investimento de R$ 30 milhões inclui a compra de um equipamento para produção de cabos com maior valor agregado e um laboratório para testes de resistência dos cabos. A expectativa é de que a expansão gere um incremento de até 30% no faturamento anual da fábrica.

O diretor-geral da Cabelauto, Cor Jésus de Miranda, explica que essa é a segunda expansão pela qual a fábrica passa, desde que foi assumida pelo grupo paulista Plasinco. A empresa é uma das principais fornecedoras de cobre para fabricantes de fio de cabo no Brasil e assumiu o controle da Cabelauto em 2010. “Nessa época, a fábrica, que tinha 10 mil metros quadrados, produzia apenas cabos elétricos para automóveis. Ela foi ampliada em mais 5 mil metros quadrados e passou a fabricar, também, cabos de potência e controle até 1 kV”, explica.

Dessa vez, a expansão é ainda maior. Isso porque a fábrica passará a produzir cabos de média e alta-tensão de até 35 Kw. Para isso, a empresa investiu em um equipamento de alta tecnologia especializado nessa produção. “Os cabos de média e alta-tensão têm mais tecnologia embarcada e, automaticamente, mais valor agregado. Além disso, trata-se de um mercado com menos concorrência”, destaca o diretor. Segundo ele, o investimento de R$ 30 milhões inclui a compra desse equipamento de produção dos cabos, a ampliação física da planta, que vai chegar a 20 mil metros quadrados, além da construção de um laboratório para testes de resistência dos cabos.

“Atuar no mercado de alta-tensão requer investimentos em máquinas e equipamentos de alto conteúdo tecnológico, mas também em um laboratório de ensaios elétricos de alta-tensão para assegurar o desempenho e a confiabilidade dos produtos. Nesse ambiente vamos testar o isolamento do cabo e sua resistência. Fazemos testes com descargas parciais para detectar qualquer microimpureza ou microvazios nos elementos, que se não forem identificados podem deteriorar a vida útil dos cabos”, detalha.

De acordo com o diretor, a nova fábrica será inaugurada amanhã, quando o equipamento de produção de cabos de alta-tensão e o laboratório começarão a funcionar. A expectativa do gestor é de que o aumento do portfólio gere um incremento de até 30% no faturamento anual da empresa. Para este ano, ele espera um crescimento de 20% no faturamento em relação a 2018, tendo em vista que a nova produção está iniciando já no terceiro mês do ano e terá seu crescimento escalonado durante todo o exercício. A expectativa do gestor é que o retorno do investimento de R$ 30 milhões aconteça em até cinco anos.