Rede de supermercados vai comercializar pacotes de cafés de 250 gramas a preços que variam de R$ 19,90 a R$ 24,90 - Crédito: Divulgação/Emater-MG

Investir na melhoria da qualidade do café tem proporcionado bons resultados para os cafeicultores de Minas Gerais e despertado o interesse do mercado para os grãos especiais.

Ontem, a rede de supermercados Verdemar lançou uma edição especial e limitada de cafés com grãos ganhadores do 15º Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés, certame que é promovido anualmente pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Ao todo, a rede adquiriu 65 sacas de 60 quilos de cafés premiados, que serão comercializados a preços que variam de R$ 19,90 a R$ 24,90 o pacote de 250 gramas.

O preço médio pago pelas sacas de 60 quilos premiadas na edição de 2018 ficou em torno de R$ 1,8 mil, valor muito acima do praticado no mercado para o café tradicional, que varia entre R$ 390 e R$ 450 por saca. Algumas sacas mais especiais chegaram a ser comercializadas a R$ 5 mil. A produção de cafés especiais é importante para capitalizar o produtor e garantir a rentabilidade da cafeicultura.

De acordo com o sócio-proprietário e diretor comercial do Verdemar, Alexandre Poni, o lançamento da edição especial dos cafés premiados no concurso estadual é importante para reconhecer o trabalho desenvolvido pelos cafeicultores de Minas Gerais, principalmente, os pequenos. Ainda segundo Poni, a oportunidade de adquirir os lotes ganhadores surgiu durante a divulgação do concurso estadual, realizado no fim do ano passado.

“Fui convidado para participar da cerimônia de premiação e, durante a solenidade, vi uma importante oportunidade para adquirir os lotes premiados. Precisamos incentivar o pequeno produtor. O Verdemar começou há 26 anos, com um investimento de US$ 5 mil, nós fomos pequenos. Os cafeicultores que são pequenos hoje têm a oportunidade de crescer. Nesta questão do café de Minas Gerais é importante, junto com os produtores, divulgar para o nosso cliente final o que é o trabalho do cafeicultor, como é a produção no campo, o que é o café e a diferença dos cafés de alta qualidade”, destacou Poni.

Ao todo, o Verdemar adquiriu lotes de sete cafés premiados, somando 65 sacas de 60 quilos. Com essas sacas, foram produzidas cerca de 10 mil unidades de 250 gramas, que serão comercializadas em toda a rede. As embalagens são diferenciadas e vêm com a identificação da região produtora, o prêmio conquistado e a foto do produtor.

A edição limitada dos cafés especiais terá exemplares das Matas de Minas, Cerrado e Sul de Minas. O preço de venda é de R$ 19,90 para os cafés premiados regionalmente e R$ 24,90 para o campeão geral.

“A qualidade do café está crescendo muito. Isso é excelente e precisa ser valorizado. Hoje, o café não é aquele café com torra escura de antigamente, hoje, a torra é mais clara para ressaltar os sabores do fruto. O valor de mercado dos cafés especiais é acessível e justo pela qualidade diferenciada. Isso é a valorização dos produtos, que vem acontecendo muito com os queijos e cafés que são itens premiados”, explicou Poni.

Vitrine – De acordo com o diretor-presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza de Deus, o concurso estadual é uma forma de reconhecer o trabalho dos produtores, divulgar os grãos especiais produzidos em Minas Gerais e promover negócios, como aconteceu com o Verdemar. A Emater-MG, segundo ele, desenvolve um amplo trabalho cotidiano junto aos produtores, com o objetivo de levar ao cafeicultor as melhores práticas de produção e ampliar a qualidade do café.

“O lançamento dos cafés premiados pelo Verdemar é importante para valorizar a cafeicultura e, principalmente, os produtores. Através do concurso, selecionamos os melhores grãos, tornando o certame uma oportunidade ímpar para o produtor mostrar a qualidade do café para o mercado, que vem demandando cada vez mais produtos diferenciados”, afirma Gustavo Laterza.

Valorização estimula investimentos

O cafeicultor de Espera Feliz, nas Matas de Minas, Josias Gomes, foi um dos produtores que vendeu parte dos lotes especiais e premiados para a rede de supermercados Verdemar. Campeão Geral do Estado e 1º lugar na Categoria natural Matas de Minas, o cafeicultor mantém uma produção familiar.

Ao todo, na safra 2018, foram produzidas dez sacas de 60 quilos de alta qualidade. Para este ano, que deverá ter uma safra menor devido à bienalidade negativa, a expectativa do produtor é de manter o mesmo volume de cafés especiais. A produção total, incluindo o café comum, porém, deve chegar a 140 sacas de 60 quilos.

“Inscrevi cinco sacas de café no concurso estadual e vendi três sacas para o Verdemar. Fiquei muito feliz com o preço que recebi, foi o maior já pago pelo meu café. Vou continuar investindo na produção dos cafés especiais e participar dos concursos. É uma forma que temos de ampliar o valor da saca”, destacou Gomes.