Para os leigos, ele é apenas uma plaquinha estranha com pinos e inscrições de letras e números sem sentido. Mas nas mãos de um estudante de computação ou de engenharia, por exemplo, o Arduino é uma poderosa ferramenta para a criação de uma infinidade de soluções. Criada há 14 anos, a placa de prototipagem eletrônica tornou a robótica acessível e ganhou um dia internacional em sua homenagem: 16 de março. Em Belo Horizonte, a data será comemorada com uma vasta programação em escolas e laboratórios de prototipagem.

Localizado no bairro Buritis, na região Oeste da Capital, o FabLab do Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), Anima Lab, vai receber programação do Arduino Day pela primeira vez. A coordenadora do laboratório, Flávia Virgínia, explica que as atividades incluem pequenas palestras de profissionais na área de robótica e impressão 3D, além de um concurso entre os alunos para a produção de soluções a partir do arduino.

“Desde o ano passado, mudamos o posicionamento do Anima Lab e trouxemos mais da sala de aula para ele e também levamos o laboratório para além dos muros da universidade. Entre as conexões desse ano está nossa participação do Arduino Day. Entendemos que precisávamos fazer parte disso, uma vez que temos essa cultura de FabLab, que é de produzir coisas e resolver problemas”, afirma.

A coordenadora destaca que, embora muita gente nunca tenha visto um arduino, o dispositivo está ligado à rotina das pessoas em aparelhos eletrônicos, sensores e outras tecnologias. “Boa parte das coisas que a gente utiliza tem arduino. Sem saber, estamos sempre ligados a esse dispositivo”, diz.

A Escola Profissionalizante Santo Agostinho, localizada no Barreiro, participa do Arduino Day há três anos. A escola, que pertence ao meso grupo do Colégio Santo Agostinho, oferece gratuitamente 15 cursos profissionalizantes e técnicos, formando 1.300 alunos por ano. Para o diretor da escola, Marco Silva, a data comemorativa é uma oportunidade para que os estudantes apresentem seus projetos e compartilhem conhecimento.

Segundo ele, no dia 16 de março, a escola estará aberta ao público que quiser conhecer as soluções desenvolvidas pelos alunos a partir do arduino.

“Entre os projetos inscritos para a feira há uma solução para acionamento de dispositivos por SMS; um veículo autônomo para reconhecimento de terrenos de difícil acesso, além de robôs e impressoras 3D”, detalha. Segundo ele, qualquer pessoa que tenha desenvolvido um projeto com arduino também pode se inscrever, até o dia 14, para se apresentar na feira da escola.

Na Capital também participa das comemorações o FabLab Newton Paiva, no Estoril, na região Oeste. A programação do laboratório inclui oficinas e demonstrações com temas diversos, como sensores para cidades inteligentes, robótica e programação.