Créditos: Sanderson Pereira / Divulgação

A Cemig, por meio do Programa Energia Inteligente, está modernizando a iluminação, as centrais de material e esterilização e os setores de lavanderia de hospitais públicos e filantrópicos de Minas Gerais. Em 2019, a companhia já entregou 19 equipamentos de esterilização de materiais hospitalares (autoclaves), 33 secadoras de roupas e 23 focos cirúrgicos com tecnologia LED. O programa foi responsável ainda pela modernização de toda a iluminação de 26 hospitais. Ao todo, as iniciativas somaram investimento superior a R$ 8 milhões.

Segundo o gerente de Eficiência Energética da Cemig, Ronaldo Lucas Queiroz, a iniciativa proporciona benefícios diversos e, ainda que esteja focada na promoção do uso eficiente e redução do desperdício de energia, as ações são pensadas para oferecer conforto aos pacientes e profissionais de saúde.

“No caso dos focos cirúrgicos, por exemplo, é importante lembrar que os equipamentos substituídos incluíam lâmpadas halógenas, que esquentam muito o ambiente e geram desconforto para os profissionais e pacientes que frequentam as salas de cirurgia”, explica Ronaldo Queiroz.

Esta adequação de tecnologia cria condições que favorecem a clareza e a nitidez da visão dentro dos centros cirúrgicos. Melhorias também são alcançadas com as novas autoclaves e secadoras, uma vez que os equipamentos mais modernos e eficientes garantem mais agilidade na execução dos processos da lavanderia dos hospitais.

Até o fim deste ano, a previsão é de que as iniciativas de eficiência energética da Cemig em hospitais alcancem investimentos superiores a R$ 18 milhões, tendo, como destaque, a instalação de, aproximadamente, 20 usinas de geração fotovoltaica em hospitais públicos e filantrópicos mineiros.

Entregas recentes – Na semana passada, os hospitais Sofia Feldman, de Belo Horizonte, e Nossa Senhora das Dores, de Itabira, no Leste de Minas, receberam, cada instituição, duas secadoras com capacidade para 25 e 50 quilos.

“Os modelos de secadoras são desenvolvidos com tecnologias capazes de evitar o superaquecimento, característica fundamental para a conservação das roupas e, principalmente, para segurança dos profissionais da saúde”, esclarece Ronaldo Queiroz.