Rio de Janeiro – A EDF Renewables e a Canadian Solar captaram R$ 1,39 bilhão para financiar três usinas do complexo solar Pirapora, de 399 megawatt-pico (MWp), no Norte de Minas Gerais, por meio de múltiplas fontes, informaram ontem em comunicado as duas companhias.

A EDF Renewables, líder de mercado global em energia renovável, tem 80% do complexo –um dos maiores da América Latina -, enquanto a Canadian Solar, uma das maiores empresas do mundo de energia solar, detém a participação remanescente.

A usina Pirapora I, de 191,5 MWp, levantou R$ 220 milhões com debêntures de infraestrutura por meio de oferta privada para investidores qualificados, segundo a nota. Os recursos serão usados para pagar um empréstimo-ponte de construção fornecido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

As debêntures têm um prazo de 16 anos e são garantidas pelo BID e BID Invest, braço do setor privado do BID. A Fitch Ratings atribuiu os ratings de debêntures de A+ (Global) e AAA (Brasil), com perspectiva estável. O BTG Pactual atuou como assessor financeiro.

A empresa reiterou que, em 2017, o projeto também recebeu um financiamento de R$ 529 milhões de 18 anos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Além disso, a usina solar de Pirapora II, de 115 MWp, realizou um financiamento de longo prazo de R$ 366 milhões com Banco do Nordeste e Fundo Constitucional do Nordeste.
O projeto de energia solar Pirapora III, com 92,5 MWp, garantiu o financiamento de projetos de longo prazo de R$ 271 milhões do BNDES e do Fundo Nacional para o Clima.

A energia solar gerada a partir desses projetos é integralmente contratada por meio de acordos de compra de energia de 20 anos indexados à inflação. (Reuters)