Conseleite foi lançado oficialmente durante evento realizado na última sexta-feira (7), na sede do Sistema Faemg - Crédito: Faemg/ Divulgação

ANA CAROLINA DIAS

Com o objetivo de manter a transparência na formação de preços do mercado a partir da análise de dados fornecidos por produtores e indústrias, o Conselho Paritário de Produtores/Indústrias de Leite do Estado de Minas Gerais (Conseleite/MG) foi lançado oficialmente na sexta-feira (7), em evento que reuniu produtores de leite, cooperativas e indústrias de laticínios na sede do Sistema Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais).


O conselho é composto por oito membros da indústria e oito da bancada ruralista e, segundo o analista de agronegócio da Faemg e membro da câmara técnica do Conseleite/MG, Wallisson Fonseca, em um momento no qual a produção do leite tem passado por crises mais intensas, a cadeia produtiva percebeu a necessidade de desenvolvimento dessa solução.


“É um projeto que, desde o início do ano, tem o anseio de trazer uma metodologia criada no Paraná para que cada ruralista e a indústria possam sentar e discutir, com transparência, o preço referência a ser pago ao produtor. O que chama a atenção é que pequenas, médias e grandes empresas e cooperativas estão no trabalho, o que dá confiança e credibilidade para o projeto”, afirmou.

Nova plataforma – Uma plataforma gratuita, que entra em funcionamento experimental em janeiro, vai disponibilizar um complexo sistema de cálculo que aponta preços de referência a serem pagos ao produtor. O valor servirá de base para o mercado, mas o preço real alcançado por produtor dependerá de outros aspectos, como a distância e a qualidade da estrada de acesso à propriedade rural, o tipo de ordenha, sua fidelidade junto ao laticínio e outros adicionais.


Com a expectativa de que, até março, o sistema esteja totalmente pronto, Fonseca ressalta que as partes envolvidas entendem a importância do trabalho para a cadeia produtiva como um todo. Na avaliação do analista, isso agrega para as tomadas de decisão em todas as pontas da cadeia, que, no atual momento globalizado, devem ser realizadas de maneira mais rápida e efetiva, gerando maior chance de acerto e menor prejuízo.


“Enxergamos a importância de ir além de um site apenas para consulta e procuramos desenvolver algo mais robusto pensando na tecnologia 4.0, com a qual o produtor pode fazer um acompanhamento melhor dos seus números, principalmente do preço referência e dos parâmetros de qualidade do seu leite”, explicou.