São Paulo – O Consórcio São Paulo Energia, formado pela Votorantim Energia e pelo fundo de pensão canadense CPPIB, arrematou, na sexta-feira (19), o controle acionário do governo paulista na elétrica Cesp, em um negócio que envolverá mais de R$ 3 bilhões e disparou uma alta superior a 17% no papel da elétrica.

O valor se refere à oferta pela fatia do governo paulista, que saiu por R$ 14,60 por ação, com ágio de cerca de 2%, ou R$ 1,7 bilhão, mais aproximadamente R$ 1,4 bilhão referentes à renovação da outorga da usina de Porto Primavera, que serão pagos ao governo federal.
O grupo, no qual cada empresa tem 50%, pagará ainda mais R$ 200 milhões pelas ações dos empregados da Cesp que entraram no negócio, ficando assim com uma fatia total de 40,6% na elétrica.

As ações da Cesp têm 100% de “tag-along”, o que indica que o investimento do consórcio poderá ser ainda maior se os acionistas minoritários aceitarem vender suas ações pelo mesmo valor pago ao governo paulista.

“A nossa recomendação é não oferecer”, afirmou em nota a equipe do Bradesco BBI liderada por Francisco Navarrete, ressaltando que o valor da Cesp está na melhora de seu balanço, o que significa redução e renegociação dos passivos e contingências, além da diminuição dos custos operacionais.

A Votorantim Energia e o fundo canadense já têm uma joint venture focada em investimento e desenvolvimento do setor de geração de energia no Brasil, formada em 2017.

“A criação dessa joint venture foi feita em dezembro do ano passado. Temos interesse em investir em energias renováveis no Brasil, e a Cesp faz parte dessa estratégia”, afirmou o presidente da Votorantim Energia e do Conselho da joint venture, Fabio Zanfelice, em rápida entrevista a jornalistas após o certame. (Reuters)