O Custo Unitário Básico de Construção (CUB/m²) registrou alta de 0,20% em abril, 0,10 ponto percentual acima do mês anterior, quando a variação foi de 0,10%. Dentre os componentes do CUB/m², observou-se, no último mês, avanço somente no custo com material (+0,51%). Os custos com a mão de obra, com as despesas administrativas e com o aluguel de equipamentos permaneceram estáveis. Nos primeiros quatro meses do ano, o CUB/m² aumentou 0,96%.

O custo do metro quadrado de construção em Belo Horizonte, para o projeto-padrão R8-N (residência multifamiliar, padrão normal, com garagem, pilotis, oito pavimentos-tipo e três quartos), que em março era de R$1.420,58, passou para R$1.423,45 em abril. O CUB/m² é um importante indicador de custos do setor e acompanha a evolução do preço do material de construção, da mão de obra, da despesa administrativa e do aluguel de equipamento. É calculado e divulgado mensalmente pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG).

Na composição do CUB/m², a mão de obra representou, em abril, 56,07% do custo total, os materiais de construção responderam por 39,83% e as despesas administrativas/aluguel de equipamentos foram responsáveis por 4,10%.

Produtos – Os materiais que apresentaram maiores aumentos em seus preços foram: brita (+4,17%), areia (+4,00%), tinta látex PVA (+2,16%), fio de cobre (+1,14%) e aço CA 50 10 mm (+1,00%).

De acordo com o economista e coordenador do Sinduscon-MG, Daniel Furletti, “o aumento de 0,51% no custo com material de construção em abril foi o maior observado desde agosto de 2018 (+0,76%) e surpreendeu. As estimativas para o crescimento da economia nacional estão caindo semanalmente e dados da prévia do PIB, divulgada pelo Banco Central, indicam que a economia brasileira encerrou o primeiro trimestre do ano com retração de 0,68%. A economia está com sérias dificuldades de consolidar um processo de recuperação e, neste contexto, aumentos de preços sempre preocupam o setor, que, nos últimos cinco anos, registrou queda de 27,69% em todo o País. Assim, estamos acompanhando de perto esta evolução nos custos”, destacou. (Com informações do Sinduscon-MG).