O Fundo Criatec 2, criado pelo BNDES e gerido pela Bozano Investimentos, gestora de recursos focada em empresas inovadoras, divulgou o investimento de R$ 2,5 milhões na DataRisk, startup especializada no desenvolvimento de soluções proprietárias que automatizam o desenvolvimento de modelos preditivos a partir de modernas técnicas de inteligência artificial.

Olhamos os principais players do mercado Inteligência Artificial no Brasil e a DataRisk nos encantou pela qualidade e simplicidade das soluções, destaca o head do fundo Criatec 2 e sócio da Bozano Investimentos, Fernando Wagner da Silva.

“Sabemos que atualmente existe um hype muito grande ao redor do assunto de inteligência artificial, mas acreditamos muito na estratégia da companhia de entregar produtos que solucionem problemas reais e na capacidade de execução dos empreendedores”, explica. “O objetivo do investimento é ampliar a carteira de clientes e garantir que estamos na fronteira do conhecimento”, completa.

O principal produto da companhia é sua plataforma de Analytics que acessa a base de dados dos clientes e desenvolve de maneira automatizada modelos de preditivos de fraude, crédito, entre outros.

“Acreditamos que o próximo grande movimento é que cada vez mais as empresas e negócios serão orientados por modelos, um movimento parecido com o do software em 2011, que deu origem a grandes empresas como Netflix, Spotify etc.

“Pensando neste cenário a DataRisk está muito bem posicionada”, explica Silva. Entre os clientes da DataRisk destaque para JSL, Linx, Ifood e Smiles.

O co-fundador e CEO, Jhonata Emerick, comentou que o aporte será direcionado ao desenvolvimento de tecnologia e vendas.

“Com o investimento do Criatec 2, conseguiremos ampliar nossa oferta para novas verticais de mercado, que podem de forma real e acessível aplicar machine learning em seus negócios tomando decisões de forma simples e seguras. Até hoje crescemos muito e acredite não temos um comercial na empresa ainda, sempre foi nossos clientes indicando, agora vamos ligar a máquina de vendas. Estamos só começando!”

Com o aporte, Carlos Relvas, co-fundador e Chief Data Scientist passa a se dedicar à startup.

“Acredito muito no que estamos construindo e no valor que podemos gerar para as empresas. Acompanhei de perto o Nubank se tornar um unicórnio e um enorme sucesso. Vamos fazer o mesmo com a DataRisk”, diz o ex-lead Data Science do Nubank.

A DataRisk surgiu em 2017, com um aporte anjo e começou a vender seu primeiro produto no começo de 2018. Ainda em 2018, foi uma startup acelerada pela Visa, além de eleita como uma das 100 startups mais inovadoras da América Latina. Em 2019, foi selecionada pela Endeavor para seu programa Scale-Up.