São Paulo – Depois da breve correção na quinta-feira (18), o dólar voltou a fechar em queda ante o real, ajudado pelo cenário favorável a divisas emergentes no exterior e ainda sob influência do otimismo com a eleição presidencial doméstica, que também garantiu a quinta semana seguida em baixa.

O dólar recuou 0,28%, a R$ 3,7147 na venda, acumulando, na semana, baixa de 1,70%. A moeda norte-americana fechou as últimas cinco semanas em baixa, período em que o dólar ficou 10,85% mais barato em reais. No movimento de correção na quinta, a moeda havia subido 1,16%, a R$ 3,7250.

Na mínima da sessão, o dólar chegou a ultrapassar 1% de retração, a R$ 3,6878. Na máxima, foi a R$ 3,7272. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 0,3%.

“Há potencial para o dólar cair mais e beliscar os R$ 3,50 com as eleições, dependendo dos nomes da equipe técnica” do futuro presidente, disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

B3 – Já o Ibovespa fechou no azul na sexta-feira, influenciado pelas bolsas dos Estados Unidos, e teve a terceira semana seguida de alta, com agentes financeiros voltando o foco para a temporada de balanços e eventuais novidades sobre o próximo governo do Brasil, que será conhecido no dia 28 de outubro.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou com variação positiva de 0,44%, a 84.219,74 pontos. O volume financeiro somou R$ 11,65 bilhões. Na semana, o Ibovespa teve alta de 1,57%, alcançando no mês avanço de 6,15%. (Reuters)