Produção chinesa de carne suína pode recuar 30% em 2019 caso previsão se confirme - Créditos: Dominique Patton/Reuters

Pequim – Até 200 milhões de porcos podem ser abatidos ou mortos por infecção à medida que a peste suína africana se espalha pela China, segundo o Rabobank, cuja previsão foi, de longe, a maior já divulgada para o surto, ressaltando a gravidade da epidemia na principal produtora mundial de suínos.

Um número desse tamanho representaria uma grande fatia do rebanho de porcos da nação, que o Rabobank fixou em 360 milhões de animais no final do ano passado. A projeção vem em momento em que muitos membros da indústria afirmam que o avanço da peste suína no país é muito pior do que o divulgado pelas autoridades.

A queda reduziria a produção chinesa de carne suína em 30% em 2019, ante o ano passado, afirmou o Rabobank, em comunicado divulgado na quinta-feira (11), alavancando importações de carne e reduzindo a demanda por rações animais produzidas com commodities como a soja.

Situação grave – “Isso não tem precedentes, e há muitas dimensões da situação que ainda não foram totalmente compreendidas”, disse à Reuters o estrategista global para proteína animal do Rabobank, Justin Sherrard.

Segundo analistas do banco, um total de 150 milhões a 200 milhões de porcos morrerão pela infecção com o vírus da peste suína africana ou abatidos na esteira dos surtos.

A China, que produz cerca de metade da carne suína mundial, afirmou nesta semana que havia abatido 1,01 milhão de porcos para controlar a doença. Já foram reportados 124 surtos desde agosto do ano passado. (Reuters)