Melhor data de vendas para o comércio varejista, o Natal é aguardado pelos lojistas de Belo Horizonte com otimismo. Segundo pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG), neste ano, 56,1% das empresas impactadas pelo período esperam vendas melhores que no ano passado.


As perspectivas positivas se devem, principalmente, ao aquecimento do comércio nos últimos meses, apontado por 19,9% dos comerciantes e às expectativas de mudanças com o governo eleito, indicado por 19,3% dos entrevistados. Além disso, 37,5% dos empresários da Capital esperam maior volume de clientes em novembro e 37,2% contam com aumento de movimento nas lojas às vésperas do Natal.


Com uma variedade de produtos que contribui para o aumento da procura do Mercado Central durante a data comemorativa, o superintendente do Mercado, Luiz Carlos Braga, afirma que a previsão é de crescimento de 10% a 12% nas vendas em 2018 na comparação com o ano anterior.


O dólar estabilizado cria uma expectativa positiva em relação à chegada de produtos importados e, além disso, as compras de última hora de itens para decoração e alimentos perecíveis para a ceia de Natal também são uma aposta para alavancar as vendas durante a data comemorativa.


Na avaliação de Braga, o cenário econômico tem mudado, principalmente após a definição das eleições e isso reflete em uma maior procura do público pelo Mercado. Com um volume diário de 31 mil pessoas, chegando até 58 mil aos sábados, a perspectiva é que, entre os dias 20 e 24 de dezembro, esse número aumente aproximadamente 30%.


“O Mercado é um dos maiores atrativos turísticos da cidade e temos percebido uma procura muito grande do comércio daqui, especialmente aos finais de semana. Esperamos que isso reflita nas compras de Natal e para isso fizemos investimentos em campanhas para TV e publicidade em ônibus na expectativa de ajudar no crescimento das vendas”, afirmou o superintendente.

Ano difícil – Para o presidente do Sindicato do Comércio Lojista de Belo Horizonte (Sindilojas-BH), Nadim Donato, 2018 foi um ano muito difícil para os empresários belo-horizontinos. No começo do ano, a projeção era de um acréscimo nas vendas de até 5% em comparação com 2017 que não vai se concretizar. Segundo Donato, o comércio da Capital deve fechar este ano com vendas estáveis em relação ao ano anterior.


“Tivemos quedas durante o ano inteiro com leves recuperações e imaginamos que 2018 deve terminar com o mesmo patamar que 2017 ou ainda apresentar queda, dependendo dos resultados de dezembro”, alertou.


A Black Friday também foi responsável por animar os lojistas neste ano, com um fluxo maior de clientes e crescimento na comparação com o ano anterior. A expectativa de aumento nas vendas para o Natal deste ano é em torno de 3% a 5% e, apesar de aguardar uma data melhor do que a do ano passado, Donato ressalta que o diferencial para 2018 serão as ofertas e promoções.


“Logo após as eleições houve um otimismo que gerou uma expectativa de vendas maior não só para o empresariado como também para o consumidor. Os clientes devem procurar ofertas o tempo todo, principalmente levando em conta a comprovação das perspectivas de aumento das vendas durante a Black Friday”, explicou. (ACD)