Botelho: investimos cerca de R$ 200 milhões por ano em TI e, por isso, acabamos desenvolvendo uma rede de negócios - Créditos: Alexandre Campbell

Reconhecido nacionalmente como um dos polos de economia criativa do País, o Estado de Minas Gerais vai ganhar mais um hub de inovação: o Rio Pomba Valley, na Zona da Mata.

Os esforços para a construção desse polo são do Grupo Energisa, que está sediado em Cataguases e, há alguns anos, apoia projetos de tecnologia e audiovisual na região.

Para apresentar esse projeto e atrair novos atores para o hub, a empresa vai realizar, no próximo dia 24 de abril, um evento em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), na sede da instituição.

O presidente do Grupo Energisa, Ricardo Botelho, explica que a empresa está sediada na Zona da Mata há 114 anos e, desde que se instalou na região, desenvolve um trabalho de relacionamento com a comunidade. Mas ele explica que, nos últimos dois anos, esse trabalho se intensificou com a criação da Central de Serviços Energisa, em Cataguases.

A organização é a responsável pela execução de todos os serviços transacionais do grupo, como contabilidade, suprimentos, recursos humanos e também infraestrutura de tecnologia. É nessa central que a Energisa desenvolve seus próprios softwares, o que acabou fomentando o setor na região.

“Temos 380 profissionais de tecnologia e mais de 100 sistemas desenvolvidos. Investimos cerca de R$ 200 milhões por ano em TI e, por isso, acabamos desenvolvendo uma rede de negócios e profissionais nesse setor na cidade”, afirma.

No início deste ano, a área de tecnologia se transformou oficialmente em uma “fábrica de software”, que continua atendendo demandas internas. Nos últimos 60 dias, o setor ganhou 180 novos profissionais, sendo a maioria do Estado.

“Somos um grupo nacional e poderíamos colocar essa central em qualquer lugar do Brasil, mas optamos por Cataguases por causa da nossa origem, mas também porque sabemos da qualidade dos profissionais na cidade e que essa é uma região com potencial”, afirma.

Botelho explica que, originalmente, a região tem uma vocação industrial, mas ele acredita que a diversificação da economia e o incentivo de segmentos como o da economia criativa podem trazer mais desenvolvimento para os municípios.

Audiovisual – Além da tecnologia, a Energisa também apoia o setor de audiovisual. Segundo o presidente, Cataguases tem uma história com a indústria do cinema, tendo recebido grandes cineastas, atores e atrizes no passado.

A empresa apoia essa atividade e já investiu R$ 14 milhões em projetos de audiovisual no Estado nos últimos 10 anos, sendo boa parte dedicada à Zona da Mata.

“Para 2019, temos 11 filmes em desenvolvimento, que demandarão R$ 5,4 milhões. Acreditamos que essa é uma atividade que gera renda direto para os envolvidos, mas também para uma rede de negócios que se desenvolve em torno dela”, afirma.

O presidente afirma que a Energisa é a grande âncora desse movimento de criação do hub Rio Pomba Valley, mas ele acredita que, em breve, esse será um movimento compartilhado. O evento, que será realizado no dia 24 de abril na Fiemg, é um primeiro passo nesse sentido.

“Para a criação de um hub alguém tem que começar e nós estamos fazendo isso porque acreditamos na região: queremos que ela cresça, se dinamize e se desenvolva dentro de um novo propósito, que é a economia criativa”, frisa.

Rio Pomba Valley acontece dia 24

O evento “Rio Pomba Valley”, que acontece no próximo dia 24 de abril, está sendo organizado pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), dentro do projeto “Invista Mais”, que é a área de acesso a mercado da instituição.

O setor realiza eventos e projetos para atrair investimentos para a indústria, conectando fornecedores e compradores. De acordo com o analista de projetos da Fiemg e responsável pelo evento, Rodrigo Vilhena, serão realizados três painéis sobre os temas: tecnologia, polo audiovisual e qualificação profissional. Eles acontecerão entre 14h e 15h30 e depois serão repetidos entre 16h e 17h30. O evento é gratuito.

O painel de tecnologia será conduzido pelo vice-presidente de suporte e negócios do Grupo Energisa, José Marcos Chaves de Melo. Ele discutirá a fábrica de softwares da empresa, as oportunidades profissionais nessa área e o potencial da região para atração de empresas no próprio segmento de economia criativa, mas também de áreas transversais, como educação e cultura.

Já o painel de polo audiovisual será conduzido pela assessora de relações sociais do Grupo Energisa e pelo diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento do Polo Audiovisual, Cesar Piva.

“Eles apresentarão o crescimento desse setor na região, os resultados consolidados e comentarão como a Zona da Mata já é uma referência no assunto e o que eles anseiam para região”, explica o analista.

Por fim, o painel sobre qualificação profissional ficará sob a responsabilidade da diretora de comunicação e gestão de pessoas do Grupo Energisa, Daniele Araújo Salomão Castelo.

Ela vai mostrar como a região pode ser um ambiente atrativo para os profissionais de economia criativa e o que a Energisa, como âncora desse projeto, está oferecendo de oportunidade.