Martins explica que a escolha do tema energia segue um movimento mundial de valorização do segmento - Divulgação

A diversidade do mercado de energia fotovoltaica está não apenas nas possibilidades de superfícies para a produção da energia, mas também nos diferentes mercados que ele pode gerar. Em torno do segmento tem-se formado uma verdadeira cadeia de negócios, oportunidade identificada pela mineira Energy Nest, que tem o objetivo de investir em startups no setor de energia.

Criada a partir do conceito de venture builder, que é uma espécie de “fábrica de startups”, a empresa ajuda negócios em estágio inicial e de alto impacto a se desenvolverem a partir de recursos de investidores-anjos. A primeira rodada de investimentos no valor de R$ 1 milhão já foi aberta: a expectativa é de que, nos próximos 12 meses, cinco startups sejam apoiadas.

A Energy Nest é licenciada pela FCJ Participações, que é sediada em Belo Horizonte e opera no ramo de venture builder há cinco anos. De acordo com o CEO do Energy Nest, Leandro Martins, a empresa replicará o modelo de sucesso da FCJ Participações, mas com foco no tema de energia. Também participam da criação da Energy Nest o Raja Valley, que atua com o desenvolvimento de startups em Belo Horizonte, e a TCS, empresa de soluções tecnológicas para indústria, que ajudará na aproximação das startups com grandes empresas do setor de Energia.

Martins explica que a escolha do tema energia segue um movimento mundial de valorização do segmento. Ele destaca que o modelo de negócios tradicional do setor de energia tem vivido grandes transformações e, por isso, demandado soluções inovadoras. “Estamos saindo do modelo de fornecimento de energia linear concentrado em grandes centrais elétricas para uma lógica em que consumidores também produzem energia. Isso gera oportunidades de negócios em áreas como geração distribuída e veículos elétricos”, afirma.

A Energy Nest surge como uma oportunidade tanto para startups do setor de energia que buscam apoio e investimento, quanto para investidores-anjos, que desejam aplicar seus recursos em negócios com potencial comprovado, assim como dividir os riscos com outros investidores. Para as startups, a venture builder oferece toda a infraestrutura e apoio em áreas como contabilidade, jurídica e comercial, além da aproximação com o mercado.

A primeira rodada de investimentos já foi aberta: 20 cotas de R$ 50 mil foram oferecidas a investidores interessados em aplicar seus recursos em startups de energia. O total de R$ 1 milhão será o suficiente para apoiar cinco startups nos próximos 12 meses. De acordo com o CEO, os investidores passam a ser acionistas da Energy Nest, que, por sua vez, fica com uma participação das startups apoiadas.

A seleção de startups já está aberta. Segundo Martins, qualquer startup do segmento de energia pode se candidatar por meio do site da venture builder (www.energynest.com.br). Entre os subtemas dentro de energia que mais interessam a empresa estão smart grid, eficiência energética e Internet das Coisas. A participação da Energy Nest nas startups depende do estágio e do potencial de cada negócio, podendo variar de 5% a 20%. Segundo Martins, a meta da empresa é apoiar 25 startups nos próximos cinco anos, captando R$ 45 milhões em investimento. (DM e TB)