Rodrigues: segredo é entender as necessidades das pessoas - Foto: Divulgação

Mesmo que o varejo tenha sofrido ao longo de 2018 com os contratempos da economia nacional, o e-commerce, alavancado pela paixão dos brasileiros pelos smartphones e pelo empreendedorismo de necessidade – que fez com que muita gente que perdeu o emprego se tornasse um empreendedor virtual – não pode reclamar dos resultados.

Segundo o 38º Webshoppers, do Ebit/Nielsen, publicado em agosto, o e-commerce brasileiro cresceu 12,1% no primeiro semestre de 2018 com relação ao mesmo período do ano passado. Esse aumento representou um faturamento de R$ 23,6 bilhões.

Os bons números, porém, escondem algumas dores do setor, como o alto índice de abandonos do carrinho de compras e a alta taxa de inadimplência nos pagamentos feitos através de boletos. Diante dessa realidade, o empreendedor Felipe Rodrigues buscou a criação de uma ferramenta tecnológica que atacasse o problema e fundou, em 2016, a Enviou.

A startup, especializada em soluções de e-mail marketing e recuperação de carrinhos abandonados e de boletos não pagos no e-commerce, já estabeleceu parcerias com as principais plataformas do mercado e tem mais de 29 mil lojas conectadas à sua solução. Hoje, registra mais de R$ 80 milhões em carrinhos recuperados.

“A Enviou começou com uma ajuda que eu queria dar à minha esposa, que tinha uma loja virtual. Começamos com o e-mail marketing e, rapidamente, a ferramenta deu resultado. Passamos a atender toda a plataforma. Daí outro grande problema começou a ser reportado: 50% das compras on-line são pagas via boleto e 40% deles não é pago. Percebemos que as empresas que tinham os melhores resultados eram as que faziam uma cobrança ativa. Criamos, a partir disso, uma ferramenta que faz a cobrança automaticamente”, explica Rodrigues.

Cerca de 15% dos clientes da Enviou são empresas mineiras, concentradas principalmente na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Depois de um 2018 de ajustes e redesenho das ferramentas, a promessa, já para o primeiro mês do ano, é o lançamento da primeira ferramenta dedicada ao consumidor final: o cash box batizado “Meu Dindin”.

“Trabalhamos todo o primeiro semestre para tornar as interfaces das ferramentas mais amigáveis. Acreditamos que a experiência é sempre o primeiro ponto avaliado pelos nossos clientes. Então, crescemos 20% porque os esforços foram para essa tarefa. Em 2019 esperamos um crescimento exponencial”, afirma o fundador da Enviou.

Empreendedorismo – A Enviou faz parte de uma lista de empreendimentos criados por Rodrigues, que é empreendedor desde os 21 anos. De lá pra cá, se passaram nove anos. Na época, apaixonado por tecnologia, coincidentemente criou uma empresa de e-mail marketing. Logo depois, o projeto de uma plataforma de promoção em redes sociais com auxílio de internautas, que recebiam prêmios pela ajuda. Também surgiu um canal, espécie de rede social, para que recrutadores e profissionais pudessem se encontrar e preencher vagas nas empresas. Ao todo, já foram, pelo menos, 12 projetos.

“Sempre quis ter a minha independência e o empreendedorismo era uma saída natural. Também sempre gostei de tecnologia, aprendi a programar sozinho e busquei formação para trabalhar na área. Unir as duas coisas fez sentido pra mim. O segredo é buscar entender as necessidades das pessoas, querer auxiliá-las”, avalia o empresário.