A sede do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) será transferida de Brasília para Minas Gerais nos próximos 90 dias. O anúncio foi feito pelo presidente do conselho do instituto, Wilson Brumer, durante a abertura do Seminário Técnico Internacional sobre Barragens de Rejeitos e o Futuro da Mineração em Minas Gerais, realizado ontem na Fundação Dom Cabral, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A intenção do órgão é estar fisicamente mais próximo das mineradoras e dar suporte ao setor, que se recupera e se reinventa após a tragédia da Vale em Brumadinho.

O presidente afirma que a proposta foi apresentada em reunião do conselho na terça-feira, dia 16, e aprovada no mesmo dia. Durante seu pronunciamento na abertura do seminário, Brumer se dirigiu ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e anunciou:

“Eu gostaria de pedir licença ao governador para transferir a sede do Ibram para Minas Gerais. A vida é feita de símbolos e isso é um símbolo: significa que a gente quer estar mais próximo da cadeia produtiva da atividade mineral”, afirmou.

Em entrevista à imprensa, o presidente afirmou que a transferência deve ocorrer até, no máximo, 90 dias, mas não confirmou a cidade que vai receber a sede do instituto.

Ele também reforçou que não se trata de dar menos atenção a outros estados, mas de se aproximar de um dos importantes polos de produção de minério no País e contribuir diante do atual cenário de desconfiança construído em torno do setor no Estado.

“Entendemos que faz muito mais sentido estar em Minas Gerais, próximo às empresas, e também aos problemas que foram gerados pelo rompimento das barragens. Acreditamos que isso nos permitirá dar respostas mais rápidas também”, destacou.

O presidente lembrou que o setor precisa se aproximar mais da sociedade, entender suas demandas e abrir diálogo, mas reforçou que as medidas pós-tragédia não podem paralisar a atividade no Estado.

“É natural que, depois do que aconteceu em Brumadinho, haja discussão sobre normas e legislação para o setor. O que puder ser aprimorado deve ser feito, mas isso não pode ser empecilho para a atividade. A paralisação do setor atrapalha a economia como um todo”, disse.

O presidente da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig) e prefeito de Nova Lima, Vitor Penido, fez seu pronunciamento logo após o presidente do conselho do Ibram e aproveitou para pleitear a sede do órgão.

“Nova Lima é terra do ouro e da mineração, então nada mais justo do que o município receber a sede do Ibram”, afirmou em tom de brincadeira.

Mais transparência – Penido também destacou a importância da atividade minerária para a sobrevivência de vários municípios no Estado e reforçou que as tragédias ocorridas em Mariana e em Brumadinho levantam o debate sobre a urgência de uma atividade mais transparente.

“Vivemos um paradoxo, porque, ao mesmo tempo em que a atividade traz emprego e renda, ela gera insegurança. As empresas precisam ter processos mais éticos e dialogar com a sociedade e com os municípios que, infelizmente, são colocados em quarto e até quinto plano”, frisou.