O comércio varejista em Minas Gerais apresentou avanço em todas as bases comparativas no mês de outubro de 2018. O aumento no volume de vendas em relação a setembro deste ano foi de 1,5%, enquanto na comparação com outubro de 2017, houve crescimento de 1,9%. Os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram também que, no acumulado em doze meses, o comércio mineiro registrou incremento de 2,6%.

Para o Brasil, o volume de vendas no varejo, na variação com ajuste sazonal, de outubro em relação a setembro, foi negativo de 0,4%. Já na comparação com outubro de 2017, houve crescimento de 1,9%, e, no acumulado de 12 meses, a variação foi positiva de 2,7%.

O economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG), Guilherme Almeida, destacou os motivos que levaram a um aumento em Minas apesar de a média brasileira seguir o caminho contrário.

Emprego – Um dos indicadores de maior impacto na decisão de consumo entre as famílias, o emprego foi um dos diferenciais para o resultado positivo em Minas. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a taxa de desemprego trimestral no Estado foi de 9,7% enquanto, no Brasil, foi de 11,9%.

A pressão inflacionária também foi menos intensa em Minas, contribuindo para o avanço do comércio. Em outubro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) tinha acumulado em 12 meses 4,34%, enquanto, no País, totalizou 4,56%.

“Na média, o nível geral de preços da economia subiu mais no Brasil do que em Minas Gerais, enquanto o desemprego no Estado foi menor. Esses dois indicadores, que estão diretamente relacionados ao consumo, contribuíram para maior consumo por parte das famílias em Minas em detrimento do recorte nacional”, explicou Almeida.

A resposta positiva de Minas também pode ser confirmada pelos resultados apurados em diversos segmentos. Com grande representatividade em termos de receita, o setor de hipermercados e supermercados cresceu 13,1% no Estado na comparação de outubro deste ano com o mesmo mês do ano passado. Já no País, o aumento foi de apenas 2,2% nesse segmento na mesma base comparativa.

Varejo ampliado – Considerando o comércio varejista ampliado (que abrange veículos, motocicletas, partes e peças e material de construção), o avanço em Minas Gerais foi de 4,4% na comparação com outubro do ano anterior.

Já no Brasil, no confronto com outubro de 2017, a expansão foi de 6,2%, com 25 das 27 unidades da federação apresentando variações positivas.

Tomando-se a variação acumulada em doze meses e incluindo os resultados do volume de vendas do comércio varejista ampliado, a atividade referente a Móveis mantém resultados negativos por longos períodos no Estado e, em outubro, registrou queda de 14,7%. Já a atividade Veículos, motocicletas, partes e peças apresentou, no acumulado de doze meses, um avanço de 13,1% em outubro deste ano.