São Paulo – A exportação de café verde do Brasil em setembro atingiu 2,74 milhões de sacas de 60 kg, alta de 27,1% ante o mesmo mês do ano passado, mas poderia ter sido ainda maior não fossem problemas logísticos, informou, ontem, o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Considerando as exportações totais, incluindo o café industrializado, os embarques superaram 3 milhões de sacas, alta de cerca de 24% na mesma comparação.
“Registramos um bom volume… Porém calculamos que poderíamos ter embarcado de 10% a 15% a mais se não fossem os problemas de falta de contêineres e espaços nos navios”, afirmou o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes.

O problema ocorre enquanto o Brasil, maior exportador global, está escoando uma safra recorde de quase 60 milhões de sacas, colhida em 2018.

Ele ressaltou que medidas estão sendo tomadas junto a autoridades da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) para “resolver essa situação e normalizar o fluxo da exportação de café do País”.

“Para se ter uma ideia, sabemos de exemplos como um único exportador que deixou de embarcar 100 mil sacas. O exportador tem feito sua parte, respeitando as agendas, deixando as cargas prontas, despachadas e com a documentação toda organizada, porém muitas vezes a carga é ‘rolada’ para o próximo navio”, disse Carvalhaes, em nota.

Há alguns meses, exportadores já haviam manifestado que vinham encontrando problemas para encontrar espaço em navios para escoar a safra do País, o maior produtor de café do mundo.

“O segmento está organizado para atender o mercado importador. Porém, devido aos problemas logísticos da navegação, não tem conseguido atender aos compradores com assiduidade», acrescentou o presidente do Cecafé.

Variedades – As exportações de café arábica aumentaram 14,9% na comparação com setembro de 2017, correspondendo a 81% do volume total de exportações (2,4 milhões de sacas).

Já o café robusta apresentou crescimento de 1.091,6 % e atingiu a participação de 9,7 % das exportações no mês (291,6 mil sacas), com uma recuperação da safra do Espírito Santo, após seca em anos anteriores.

O volume exportado de café solúvel se manteve praticamente estável, com participação de 9,3 % no total, em 280,3 mil sacas.

Já no acumulado do ano (de janeiro a setembro de 2018), o Brasil registrou um total de 23,6 milhões de sacas exportadas, crescimento de 7,3 % na comparação com igual período do ano passado.

Em setembro, a receita cambial com as exportações somou US$ 410,3 milhões, apontando uma variação positiva de 0,7% a mais em relação ao mesmo mês do ano passado.
No acumulado do ano, o faturamento apresentou uma queda de 6%, alcançando US$ 3,5 bilhões. (Reuters)