Falci vai priorizar novos caminhos de inovação e tecnologia durante sua gestão na Junta - CREDITO:ALISSON J. SILVA

O empresário Bruno Falci, ex-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), assumirá a presidência da Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg). Ele foi empossado na terça-feira (29) como membro do Conselho de Vogais da entidade, condição para assumir o cargo de presidente. A posse no novo posto deve acontecer nos próximos dias, segundo confirmado pela Secretaria de Estado da Fazenda.

Falci informou que, entre suas prioridades à frente da instituição, está a busca de novos caminhos de inovação e tecnologia para garantir que a Jucemg preste um serviço cada vez mais ágil e amigável ao seu público, formado por empresários. Ele ressaltou que a entidade conta com excelente corpo técnico. “A Junta Comercial sempre foi referência no Brasil e vamos trabalhar para que ela continue sendo essa referência”, reforçou.

De acordo com o empresário, ele assumirá a presidência após receber convite do governador Romeu Zema (Novo). “Sou muito grato ao governador Romeu Zema, ao vice-governador Paulo Brant e ao secretário da Fazenda, Gustavo de Oliveira Barbosa, pela confiança. Estou extremamente satisfeito e honrado em assumir o desafio”, disse. Bruno Falci lembrou que seu pai, Renato Falci, já foi presidente da Jucemg.

O empresário ponderou que esse é um momento difícil para o governo de Minas, reforçando que as contas do Estado não fecham há algum tempo.

“Sabemos das dificuldades financeiras enfrentadas pela nova gestão, mas temos o apoio do governo para que a Junta continue a ser referência no País e para dinamizar a economia no Estado”, afirmou ele. Anteriormente, a presidência da Jucemg era ocupada pelo empresário José Miguel Lamounier, que assumiu em setembro de 2018.

Atualmente, em todo o Estado, há seis unidades da Jucemg com sede própria e outras 200 funcionando junto a prefeituras. “Mesmo com os avanços tecnológicos, tal proximidade com os empresários de todo o Estado é importante”, disse Falci.

Empresário e comerciante tradicional em Belo Horizonte, Bruno Falci ficou à frente da CDL-BH entre 2011 e 2018. Ele é presidente da Casas Falci, comércio centenário da Capital. O negócio foi iniciado por seu bisavô, em 1908.

Leia também:

Servidores ameaçam iniciar greve

Desenvolvimento – A Jucemg tem como finalidade executar e administrar os serviços de registro de empresas, além de fomentar, facilitar e simplificar tais atividades.

O último balanço divulgado pela Jucemg em seu site aponta que, apesar do cenário de lenta recuperação econômica, o saldo de empresas abertas em Minas Gerais cresceu 14% em 2018. Durante todo o ano passado, foram formalizados, no Estado, 46.730 negócios, enquanto no ano anterior foram 41.043. Entretanto, as extinções cresceram 26%, saltando de 28.910 em 2017, para 36.480 em 2018.