As lavouras de café espalhadas pelo Estado ocupam uma área de 1,1 milhão de hectares - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

A Feira de Máquinas, Implementos e Insumos Agrícolas – Femagri 2019 teve início ontem, em Guaxupé, no Sul de Minas, e vai até amanhã. No evento, estão sendo apresentadas aos produtores de café as novidades que podem melhorar a produção e aumentar a competitividade no mercado internacional.

Este ano, o tema da feira é “Tecnologia Digital gerando valor à cafeicultura”. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) participa do evento, com foco no uso de novas tecnologias a serviço do produtor rural.

“No estande da Emater-MG, vamos apresentar o uso de ferramentas de inteligência artificial para facilitar o trabalho do homem do campo, como o mapeamento, por geoprocessamento, do parque cafeeiro. Também vamos mostrar a informatização do serviço de assistência técnica, com uma ferramenta disponível em tablets que vai facilitar o trabalho do nosso extensionista no campo e agilizar o atendimento ao agricultor”, explica o gerente regional da Emater-MG em Guaxupé, Willem de Araújo.

O mapeamento dos cafezais de Minas Gerais começou em 2016 e terminou em março de 2018. O estudo obteve informações precisas sobre o tamanho e a distribuição geográfica da produção no Estado com base na área plantada em 451 municípios produtores de café. Para isso, foram utilizadas imagens de satélite, que mostraram o real tamanho e a importância socioeconômica da atividade: as lavouras de café ocupam 1,1 milhão de hectares, o equivalente a 1,5 milhão de campos de futebol enfileirados.

O trabalho foi realizado pelo governo de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Emater-MG, Epamig e Fundação João Pinheiro. O estudo contou, ainda, com a parceria da Companhia Nacional de Abastecimento e da Embrapa.

O investimento foi de R$ 6 milhões, sendo R$ 4 milhões da Codemig e R$ 2 milhões de contrapartida da Emater-MG e Epamig. Os recursos foram investidos em softwares, veículos, drones e tablets utilizados em todas as fases do trabalho. O objetivo do projeto é subsidiar políticas públicas e investimentos privados de toda a cadeia produtiva do setor.

Outras atrações – Cerca de 120 expositores estão presentes na Femagri e a expectativa é de 30 mil visitantes por dia. O evento é organizado pela Cooxupé, considerada umas das principais cooperativas de café do mundo.

Além da parte comercial, a feira também terá a Fazendinha e o Espaço Pecuária. A Fazendinha levará para os visitantes soluções como softwares para o controle de pragas e doenças, softwares de gestão da propriedade e plataforma de previsão do tempo.

Já o Espaço Pecuária foi criado para aumentar o alcance da feira, chegando aos criadores de gado, muitas vezes, também cafeicultores.