Minas Gerais é o segundo Estado em número de unidades franquias em operação - CREDITO:ALISSON J. SILVA

THAÍNE BELISSA

O mercado mineiro de franchising ganha destaque no Brasil com desempenho muito acima da média nacional. Divulgada na sexta-feira (14), a versão regional da Pesquisa Trimestral de Desempenho do Franchising, da Associação Brasileira de Franchising (ABF), mostrou que o Estado faturou R$ 3,4 bilhões entre julho e setembro de 2018, o que representa um crescimento de 9,4% em relação ao mesmo período em 2017. O crescimento é 30% maior que o registrado no Brasil. Além disso, o Estado saiu na frente com crescimento de 17% no número de redes e de 13% no número de unidades, enquanto no Brasil não houve crescimento de redes e apenas 3% em unidades.

Para a diretora da ABF em Minas Gerais, Danyelle Van Straten, o salto no faturamento tem a ver com uma mudança no comportamento do mineiro, que parece ter “acordado para o empreendedorismo”. A diretora acredita que a crise econômica ajudou nesse processo, uma vez que muitos profissionais se viram sem emprego e com poucas alternativas para manter a remuneração que recebiam. “O mineiro tem um perfil de buscar mais segurança, de preferir o bom emprego do que o risco de um negócio próprio. Talvez por isso a reação ao empreendedorismo foi mais tardia: quando a crise apertou mesmo é que muita gente buscou alternativa nas franquias”, analisa.

Danyelle Van Straten também chama a atenção para o crescimento em número de redes. Enquanto Minas cresceu 17% no terceiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período em 2017, no Brasil esse número ficou estável. De acordo com a pesquisa, o Estado tem 675 marcas em operação e o País tem cerca de 2.900. A diretora acredita que o desempenho tem a ver com um grande movimento de transformação de negócios tradicionais em franquias. Segundo ela, Minas Gerais é pioneiro no programa “Minas Franquia”, em parceria com o Sebrae Minas, que visa percorrer o Estado para identificar empresas que têm o potencial de serem transformadas em franquias.

“Nos últimos anos, o projeto trouxe 100 novas marcas de franquias para o Estado. É um projeto pioneiro, que vai até os empresários, faz um estudo de viabilidade e formata essas empresas, subsidiando 90% dos custos desse processo. Hoje, Sebraes de outros estados estão adotando esse projeto que nasceu em Minas”, afirma. Danyelle Van Straten também acredita que esse movimento de transformar negócios tradicionais em franquia é uma resposta à crise, uma vez que o formato traz diferencial competitivo às empresas. “Na franquia, o empresário compartilha melhores práticas e tem soluções mais ágeis, fortalecendo o seu negócio”, avalia.

Já o crescimento de número de unidades pode ser explicado, principalmente, pelo processo de interiorização das franquias. A diretora lembra que o cenário econômico no Brasil favoreceu a criação de formatos mais simples de franquia, como foodtrucks e foodbikes, que expandiram com mais facilidade para o interior. “Como Minas Gerais tem 853 municípios, o Estado acaba se destacando nesse processo de interiorização e na quantidade de unidades”, afirma. Ao todo, são 8.173 pontos de venda em Minas Gerais.

De acordo com a pesquisa, Minas Gerais é o terceiro Estado em número de empresas franqueadoras e o segundo em unidades de franquias em operação. A maioria das unidades mineiras atua nos mercados de Saúde, Beleza e Bem-Estar (22,6%), Alimentação (22,6%), Serviços Educacionais (14,5%) e Moda (11,8%). De acordo com a diretora, a expectativa é que o Estado feche 2018 com crescimento acima de 10% no faturamento, em relação ao ano passado.