Para retomar as atividades normalmente, a Anglo ainda depende de autorizações legais - Anglo American/Flávia Valsani

Os 560 empregados da Anglo American que estavam em sistema de lay-off desde 1º de junho foram convocados pela empresa a retornarem ao trabalho em 1º de novembro. Mas, mesmo com o volta dos trabalhadores a seus postos, as operações não serão retomadas imediatamente, dependendo ainda de autorizações legais, conforme informou ontem a mineradora por meio de nota. As atividades foram interrompidas após vazamentos ocorridos em março, sendo que a previsão é de volta das operações ainda neste ano.

Presidente do Sindicato Metabase de Itabira e Região, André Viana informou, na quinta-feira (11), que os trabalhadores esperam que a retomada das atividades se dê ainda em novembro. Ele avalia que, com a convocação dos empregados, a empresa dá a sinalização de que já está pronta para voltar a funcionar normalmente, dependendo das autorizações legais.

Segundo ele, os funcionários vão atuar com o objetivo de deixar a planta pronta para que, assim que houver a permissão, as operações tenham início. Viana ressalta que a retomada das operações irá trazer mais segurança quanto à manutenção dos postos de trabalho.
O lay-off, ou seja, suspensão temporária do contrato de trabalho, começou em 1º de junho, com previsão de duração de cinco meses. A medida foi adotada após a produção da Anglo American ser paralisada em decorrência de dois vazamentos ocorridos no mineroduto do Sistema Minas-Rio, em março.

Desde então, foram feitas inspeções nos 529 quilômetros do duto que liga a mina de Conceição do Mato Dentro ao Porto do Açu, em São João da Barra (RJ).
As causas do vazamento vêm sendo apuradas pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Os relatórios devem ser entregues até novembro.

Perdas – O prejuízo provocado pela paralisação das operações é estimado entre US$ 300 milhões e US$ 400 milhões, aproximadamente R$ 1,1 bilhão e R$ 1,5 bilhão. No ano passado, a produção de minério de ferro da Anglo American chegou a 16,8 milhões de toneladas. Este ano, de janeiro a março, foram produzidas 3 milhões de toneladas.

Durante o lay-off, os trabalhadores receberam recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A mineradora complementou o valor subsidiado pelo governo, até alcançar 100% dos salários dos empregados. Os funcionários tiveram que passar por capacitação durante esse período.