Rede conta com cerca de 800 interessados em franquias - Juliana Correia/Divulgação

Há 20 anos, um fast food de saladas poderia parecer uma má ideia para um negócio. Hoje, com o crescimento de pessoas buscando adotar em seu dia a dia um estilo de vida mais saudável, este nicho tem rendido boas oportunidades. Prova disso é a Horta 31, que nasceu com este objetivo há pouco mais de um ano e, neste período, já espalhou 10 unidades em Belo Horizonte e região. Atualmente, a empresa vende em média 50 mil saladas por mês.

O 31 do nome é uma alusão à região de alcance do negócio: as cidades que contam com este DDD. Mas estes limites geográficos serão ultrapassados em breve. A ideia é, no próximo ano, fazer com que a marca mineira se torne nacional.

“Há demanda para isso. Só de interessados para franquias temos 800 nomes, então, o negócio tem que estar muito bem estruturado para absorver tudo isso, saber em qual cidade cabe a nossa marca. Estamos estudando para expandir, não só para outras cidades do interior de Minas, mas também para outros estados”, conta um dos sócios, Luiz Gustavo Moreira.

O plano de expansão é abrir dez unidades a cada ano. Foi para viabilizar isto que a gestão da empresa optou pelo modelo híbrido do negócio, mesclando franquias com unidades próprias.
“A maioria das unidades são lojas próprias e abrimos franquias pontualmente para acelerar o crescimento. Mas a ideia é continuar mesclando, porque com unidades próprias conseguimos também ter mais controle sobre as operações, não queremos ser só franquias vendedoras, queremos estar dentro, de fato, para entender melhor as coisas, estar mais próximos dos negócios e dos clientes”, explica Moreira.

Para franquia, o investimento é de cerca de R$ 200 mil. Ao todo, a marca emprega diretamente 70 pessoas, além de fomentar toda a cadeia produtiva, desde a ponta, na parceria com os fornecedores locais, passando pelos trabalhadores envolvidos nas obras, afinal já foram dez construções em cerca de um ano, pelos caminhoneiros que entregam os produtos, técnicos, entre outros. “Economia colaborativa é isso, é todo mundo crescer junto”, pontua.

História e mercado – A ideia nasceu justamente da vontade de Luiz de voltar a ter o DDD 31 em seu número. “Eu estava morando no Rio e tinha uma vontade muito grande de voltar para BH, já com essa ideia de montar alguma coisa na área de alimentação saudável. Deu certo, inauguramos a primeira unidade em maio do ano passado com o objetivo de expandir, oferecer um tipo de produto gostoso, de qualidade e barato para as pessoas terem a opção de uma alimentação saudável em vários pontos da cidade”, conta o empresário.

Para ele, o sucesso do negócio se deve também a transparência e ao preço acessível, que é o mesmo praticado em qualquer região da cidade e, portanto, atende a todos os públicos.
“O atendimento, a qualidade, o preço e a transparência que faz com que o cliente entenda que o que ele está pagando é justo, é o que tem nos impulsionado. Mas, além disso, a propaganda boca a boca também tem ajudado muito”, comenta.

A Horta 31 conta com unidades na Savassi, Floresta, Lourdes, Funcionários, Barro Preto, Serra, Santo Agostinho, hipercentro, avenida Silva Lobo e Vila da Serra.