Crédito: Paulo Whitaker/ Reuters

São Paulo – A bolsa paulista fechou em forte alta nesta quinta-feira, impulsionada por perspectivas otimistas sobre o andamento da reforma da Previdência, após o presidente Jair Bolsonaro se encontrar com líderes de partidos no Planalto na tentativa de integrar uma coalizão governista.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 1,93 %, a 96.313,06 pontos. O volume financeiro somou R$ 13,13 bilhões. Na máxima da sessão, principal índice de ações da B3 subiu 2%. No pior momento, recuou a 94.333,95 pontos.

“É uma combinação de dois fatores, uma releitura da queda do dia anterior e um otimismo com a tentativa de articulação por parte do governo”, afirmou Rafael Bevilacqua, estrategista chefe da consultoria independente de investimentos Levante.

Na véspera, o índice encerrou em queda de 0,94%, a 94.491,48 pontos, em reação de cautela de agentes do mercado diante de discussões intensas sobre a reforma da Previdência em audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Bolsonaro se reuniu com presidentes de partidos ontem e conseguiu diminuir a tensão, mas não conseguiu dos líderes partidários a promessa de apoio incondicional à proposta de reforma da Previdência e nem aumentar a base de apoio do governo.

“O mercado entende que ainda há muito o que acontecer, mas segue otimista”, acrescentou Bevilacqua.

O Ibovespa também recebeu apoio de um cenário externo mais positivo, na esteira da redução dos temores sobre o crescimento global e de sinais de avanço nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

Destaques – Kroton avançou 6,05%, após ter registrado na véspera menor valor de fechamento desde 22 de janeiro.

Eletrobras PNB valorizou-se 2,55%, tendo como pano de fundo notícias de que norte-americana Westinghouse está interessada em participar da concorrência internacional que será lançada no Brasil para a escolha de um parceiro estratégico para a conclusão da usina nuclear de Angra 3, segundo o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque.

Petrobras PN subiu 3,38% e Petrobras ON avançava 3,29%, com agentes financeiros ainda atentos a desdobramentos relacionados à cessão onerosa. O ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, disse que está otimista quanto a um acordo sobre o tema na próxima semana.

Bradesco PN subiu 2,59%, enquanto Itaú Unibanco PN ganhou 1,5%, contribuindo para o viés positivo do Ibovespa.

Vale teve alta de 0,73%, na esteira do aumento dos preços de minério de ferro na China em meio a uma redução nos embarques do Brasil e da Austrália e uma demanda mais alta por parte dos chineses, indicando um aperto no mercado da matéria-prima.

BR Distribuidora valorizou-se 3,77%, após a cotação fechar na mínima do ano há cerca de uma semana.

Klabin perdeu 3,39%, enquanto Suzano recuou 3,11%, liderando as quedas do Ibovespa, após analistas do Credit Suisse cortarem a recomendação para as ações de ambas as empresas para ‘neutra’ e reduzirem os respectivos preços-alvos para R$ 53 e R$ 18, citando visão mais cautelosa com a demanda chinesa.

Dólar – O dólar fechou em queda ante o real, anulando a alta da véspera, conforme o mercado demonstrou alívio com as tentativas do governo de melhorar a articulação com o Congresso sobre a reforma da Previdência, num dia positivo para moedas emergentes no exterior.

O dólar à vista caiu 0,55%, a R$ 3,8575 na venda. Na quarta-feira (03), a cotação havia subido 0,57%, a R$ 3,8787. Na B3, a referência do dólar futuro cedia 0,31%, a R$ 3,8640.

O real teve nesta sessão o terceiro melhor desempenho entre as principais moedas globais, atrás apenas da libra esterlina e da lira turca. Outros pares do real, como peso mexicano e rand sul-africano também se apreciavam.

“Continuamos acreditando que a reforma da Previdência passará este ano, na Câmara, ainda que apenas no quarto trimestre. Nossa projeção já contemplava uma economia de R$ 700 bilhões (ao longo de uma década) a ser aprovada apenas em outubro, e mudou muito pouco” com os ruídos recentes, disse em nota a equipe da gestora Gauss Capital. (Reuters)