Crédito: Benoit Tessier/Reuters

Paris – Um imenso incêndio consumiu a Catedral de Notre Dame nesta segunda-feira, com as chamas sem controle destruindo o telhado do marco histórico de Paris enquanto os bombeiros lutavam para impedir o desabamento de um dos campanários principais.

O fogo, que começou no início da noite, se espalhou rapidamente pelo telhado da catedral e engoliu o pináculo, que desabou pouco antes do próprio telhado também vir abaixo.

Parisienses angustiados e turistas atônitos olhavam descrentes para o cenário infernal que destruía a catedral de mais de 850 anos. Milhares de observadores se aglomeraram sobre as pontes e as margens do rio Sena, por trás de um cordão de contenção montado pela polícia.

“Ainda não estamos certos de que conseguiremos impedir o fogo de se espalhar para o campanário norte”, disse um oficial dos bombeiros à Reuters.

Líderes mundiais expressarem choque e enviaram condolências ao povo francês. O presidente Emmanuel Macron disse que todo o país está abalado. “Como todos os nossos compatriotas, estou triste nesta noite de ver essa parte de nós queimar”, tuitou.

Uma imensa nuvem de fumaça se espalhou sobre a cidade e cinzas caíram por uma grande área. As pessoas que observavam suspiraram quando o pináculo da catedral desabou sobre as chamas.

Em torno das 19h30 (no horário local), cerca de três horas depois do início do incêndio, um porta-voz do Corpo de Bombeiros disse que os 90 minutos seguintes seriam cruciais para avaliar se as chamas podiam ser contidas.

“Basicamente todo o telhado já se foi. Eu vejo pouca esperança para o prédio”, disse Kacek Poltorak, um observador que assistia ao incêndio de uma varanda no quinto andar de um edifício a duas quadras da fachada sul da catedral, que é um dos lugares mais visitados da França.

Os bombeiros tentavam conter as chamas com mangueiras e isolaram a área em torno de Notre Dame, que fica em uma ilha do rio Sena e marca o centro geográfico de Paris. Testemunhas disseram que todos na ilha, chamada Île de la Cité, estavam sendo retirados.

Ninguém ficou ferido, disse o ministro do Interior Laurent Nuñez. “É muito cedo para determinar a causa do incêndio”, acrescentou.

O gabinete do procurador de Paris informou ter aberto um inquérito sobre o incêndio. Diversas fontes policiais disseram trabalhar com a hipótese inicial de que o fogo tenha se iniciado acidentalmente.

“Tudo está desmoronando”, disse um policial diante da catedral que continuava a queimar.

Macron cancelou um pronunciamento à nação que faria nesta segunda-feira à noite e rumou para o local do incêndio, onde conversou com os oficiais que tentavam conter as chamas.

Numa possível resposta a uma sugestão feita pelo presidente dos EUA, Donald Trump, de que os bombeiros deviam “agir rapidamente” e empregar aviões para lançar água sobre a catedral, a Defesa Civil da França descartou a possibilidade, alegando que isso poderia destroçar toda a edificação.

A chanceler alemã, Angela Merkel, chamou a catedral de “símbolo da França e de nossa cultura europeia”. A premiê britânica, Theresa May, disse que seus pensamentos estavam com o povo francês e os serviços de emergência que tentavam lutar contra o “terrível incêndio”.

O Vaticano disse que o fogo no “símbolo da cristandade na França e no mundo” provoca choque e tristeza, e que reza pelos bombeiros.

A catedral, que data do século 12, ficou célebre na cultura popular desde o clássico romance de Victor Hugo “O Corcunda de Notre Dame”. O edifício é considerado um Patrimônio Mundial pela Unesco e atrai milhões de turistas todo ano.

A catedral passava for reformas, com algumas seções do edifício cobertas por andaimes. Estátuas de bronze haviam sido removidas para restauro na semana passada.

Construída por mais de um século a partir de 1163, Notre Dame é considerada um dos melhores exemplares da arquitetura gótica francesa, sendo famosa por sua colunata, seus icônicos arcobotantes e pelos impactantes vitrais, bem como por suas gárgulas esculpidas em pedra.  (Reuters)