Alessandro Chaves: as bases do desenvolvimento e da inovação estão no território - Foto: Daniela Maciel

Daniela Maciel*

As diretrizes nacionais e os planos de desenvolvimento realizados pelo governo federal e pelas empresas transnacionais são determinantes para o andamento da economia do ponto de vista macro, porém o cidadão comum pouco se vê retratado ou atingido pela macroeconomia. No dia a dia, as pessoas vivem nas cidades, com seus problemas e oportunidades. Daí a importância de políticas e ações que visem o desenvolvimento econômico local.

O desenvolvimento de lideranças locais, capazes de identificar vocações e mobilizar pessoas e elos da cadeia produtiva, estão na base da criação de uma estrutura que seja capaz de atender as demandas dos empreendedores e fixar nas comunidades pessoas e renda, promovendo, ao longo do caminho, desenvolvimento econômico e social para todo o País.

Para o gerente da Unidade de Desenvolvimento Territorial do Sebrae Minas, Alessandro Chaves, as bases do desenvolvimento e da inovação estão no território. Dessa forma, as entidades locais têm papel importante na construção de um ambiente de negócios favorável e na consequente perenidade desses negócios.

“Quando a gente fala de empreendedorismo para os nossos clientes, de forma geral, mostramos a eles que existem oportunidades no mercado. E que eles podem, a partir das suas capacidades e habilidades, e buscando conhecimento, tomar a decisão para que o seu negócio possa aproveitar uma oportunidade de mercado. Se isso acontece no nível individual do empresário, e é ele que toma a decisão na empresa dele, quando a gente traz isso para as entidades e para as lideranças que estão no território, isso é uma verdade também. Então o presidente de uma associação empresarial que tem uma visão diferenciada sobre o conjunto do seu território, ele pode, realmente, fazer a diferença, explica Chaves”.

Embora as decisões ocorram, em última análise, no nível individual, o conceito de interdependência é fundamental para a tomada de decisões mais assertivas, esteja o agente de desenvolvimento atuando em qualquer posição da cadeia produtiva – que pode ser um dia como empresário, em outro como dirigente de entidade e em uma outra oportunidade, até como prefeito, isso quando não acumulando funções ou postos.

“Agente de desenvolvimento é aquele que age. Então a provocação para que todos nós sejamos agentes é que cada uma cumpra a sua função, mas com uma visão de interdependência. Ninguém é autossuficiente. Esse é um conceito muito importante. Quando eu reconheço a importância do seu papel e do meu papel, percebo que todos juntos podemos fazer a diferença”, afirma o gerente do Sebrae Minas.

Leia também:

Intolerância na pauta do Sebrae Minas

Ferramenta – Para estudar e servir como base de apoio para a construção de políticas públicas e orientar empreendedores e líderes setoriais, o Sebrae Minas criou o Índice Sebrae de Desenvolvimento Local (Isdel). O indicador sintetiza dados sobre as cinco dimensões responsáveis por promover o desenvolvimento econômico local, permitindo a todos os Gestores Públicos e Agentes de Desenvolvimento que olhem para seu território e identifiquem com clareza onde devem ser concentrados os principais esforços para que se faça um Desenvolvimento Social inclusivo, Econômico e Sustentável com uma visão de futuro positivo.

O índice utiliza 135 indicadores e variáveis de fontes oficiais, divididos nas cinco dimensões do DEL – Capital Empreendedor, Tecido Empresarial, Governança para o Desenvolvimento, Organização Produtiva e Inserção Competitiva.

O Isdel tem aderência direta com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), promovidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2015. “É impossível uma prefeitura ou uma entidade sozinha promover o desenvolvimento do território. Mas todos juntos, podemos. A união por um objetivo tem esse poder. Quando olhamos para os ODS, todos eles têm a ver com os interesses da coletividade. Muito do nosso trabalho é ajudá-los é enxergar o que é possível reconhecendo o que foi feito até agora. E pensar quais os desafios do futuro próximo”, completa o especialista.