Bolsonaro afirmou que governará para todos os brasileiros e que seu compromisso com os votos é “inquebrantável” - Valter Campanato/Abr

Brasília – O deputado Jair Bolsonaro e o general Hamilton Mourão foram diplomados ontem como presidente e vice-presidente da República, respectivamente, durante cerimônia no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Bolsonaro recebeu o diploma das mãos da presidente do TSE, ministra Rosa Weber. “Não poderia estar mais honrado com a confiança demonstrada pelo povo brasileiro”, disse o presidente eleito em discurso.


O presidente eleito disse que governará para todos os brasileiros e que seu compromisso com o voto popular é “inquebrantável”.


Na solenidade em que recebeu o diploma, Bolsonaro afirmou que diferenças são “inerentes” a uma sociedade múltipla e complexa e disse ser um exemplo de que “a transformação pelo voto popular é possível”.


Na cerimônia para a qual foram convidadas cerca de 700 pessoas, Bolsonaro e o vice-presidente eleito general Hamilton Mourão receberam os diplomas das mãos da presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber. Capitão do Exército da reserva, Bolsonaro bateu continência ao entrar no plenário do TSE e depois de ser diplomado.


Etapa indispensável para que os eleitos possam tomar posse, o rito de diplomação serve como um atestado de que o candidato escolhido pelas urnas cumpriu as formalidades exigidas pela lei eleitoral e pode assumir o mandato. São requisitos, por exemplo, para obter o diploma, estar com o registro de candidatura deferido e as contas de campanha julgadas.


Segundo o TSE, a solenidade é realizada desde 1951, ano em que Getúlio Vargas foi eleito para a Presidência da República. A cerimônia não foi adotada durante o regime militar e voltou a ser realizada apenas após a redemocratização do País, em 1989, quando Fernando Collor de Mello foi eleito presidente da República.

Tolerância – A ministra Rosa Weber defendeu que a democracia não consiste apenas na realização periódica de eleições, mas também no diálogo e na tolerância.


Em discurso na cerimônia de diplomação Rosa Weber procurou enaltecer a importância dos direitos humanos, celebrados neste dia, e disse que a legitimidade da maioria não pode buscar abafar os grupos minoritários.


A ministra encerrou sua fala ressaltando o compromisso assumido por Bolsonaro no próprio TSE de que o respeito da supremacia da Constituição será o norte do futuro governo. (Reuters)