São Paulo e Brasília – O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, pediu desculpas na sexta-feira (24) por ter informado equivocadamente na véspera que a Justiça brasileira havia cassado liminar que proíbe o uso do glifosato no País, e ressaltou que a proibição ao herbicida continua em vigor.

“Minha vontade de resolver essa questão é tamanha que acabei repassando a informação de que a liminar do glifosato teria sido cassada”, disse o ministro em uma postagem no Twitter nesta sexta-feira. “Continuo aguardando a decisão. Me desculpem pelo acontecido!”, acrescentou Maggi, depois de ter publicado a informação errada na tarde de quinta-feira. A reportagem tinha confirmado com o próprio ministro, na quinta-feira, a informação enviada por ele em sua conta no Twitter.

A confusão em torno do glifosato se deu após a juíza federal substituta da 7ª do Distrito Federal, Luciana Raquel Tolentino de Moura, determinar no início do mês que a União não conceda novos registros de produtos que contenham como ingredientes ativos o glifosato, entre outros. A decisão judicial ocorreu apesar de o produto ser um herbicida utilizado há décadas em importantes lavouras brasileiras, especialmente na soja, o principal produto de exportação do Brasil, o maior exportador global da oleaginosa.

A manifestação equivocada de Maggi ocorreu após recurso movido na quarta-feira pela Advocacia-Geral da União (AGU) ao Tribunal Federal Regional da Primeira Região (TRF-1).

A proibição envolvendo o glifosato ocorre em momento em que produtores se preparam para o plantio da nova safra nas próximas semanas. O ministro já havia se manifestado anteriormente sobre o tema, ao dizer que seria um “desastre” a proibição ao glifosato, uma vez que produtores não teriam opção para práticas agrícolas consolidadas como o plantio direto. A maior parte da soja plantada no Brasil é transgênica, resistente ao glifosato, o que facilita o manejo e o combate a ervas daninhas nas lavouras.

A decisão pode impactar companhias como a Monsanto, comprada recentemente pela Bayer, que comercializa sementes resistentes ao glifosato e herbicidas. As empresas afirmam que o glifosato é seguro.

Ao ser procurado, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), que representa as companhias do setor, afirmou que aguarda posicionamento do TRF sobre o recurso apresentado pelo governo para eventualmente tomar alguma medida judicial. O Sindiveg também afirmou anteriormente que o glifosato é um produto seguro e utilizado em muitos países.

O foco sobre o glifosato no Brasil coincide com recente decisão da Justiça nos Estados Unidos, que determinou neste mês que a Monsanto pague uma indenização de US$ 289 milhões em um processo aberto por um homem que alega que desenvolveu câncer por causa do pesticida. (Reuters)