Fernando Macedo vende franquias e presta treinamento aos franqueados da ERA no Brasil - Divulgação

Criada para facilitar a expansão das marcas por diferentes países, a figura do masterfranqueado se tornou, no Brasil, uma estratégia para o crescimento das marcas nacionais no próprio território brasileiro. Por meio de um investimento substancialmente maior do que o de um franqueado unitário, o master obtém a autorização para subfranquear a marca em um determinado território. De acordo com o consultor de franquias e diretor da Franchise Solutions, Pedro Almeida, em um país de dimensões continentais como o Brasil, a estratégia pode ser a solução para um dos maiores gargalos da nossa economia: a distribuição logística.

“Esse modelo é muito comum entre países. Na Europa, onde os países são pequenos faz muito sentido uma marca de Portugal, por exemplo, ter másteres na França ou na Espanha, por exemplo. No Brasil essa estratégia é usada inclusive por marcas nacionais. Ela facilita muito o conhecimento da região e a distribuição. O master pode se responsabilizar por isso regionalmente, diminuindo os custos e as dificuldades da distribuição, já que a nossa malha é tão falha”, explica Almeida.

A legislação brasileira reconhece o masterfranqueado e regulamenta a sua relação com a franqueadora e com o franqueado unitário. Ele tem o direito de franquear a marca em um determinado território e como remuneração fica com parte de todas as taxas e direitos, como royalties sobre lucro e taxa de franquia. De outro lado tem como obrigação dar todo o treinamento e suporte para o franqueado.

“Nesses casos, mesmo que a franqueadora seja nacional, todo o relacionamento do franqueado unitário com a marca se dá através do master. É importante entender que o masterfranqueado não é um franqueado iniciante, ele é um empreendedor, um empresário experiente e com capital para investir”, pontua o consultor.

Sediada na Inglaterra, a ERA – Expense Reduction Analysts, consultoria em redução de gastos, escolheu o modelo de masterfranqueado para expandir no Brasil. O empresário Fernando Macedo, country manager da ERA Brasil há sete anos, começou como franqueado unitário. “Minha responsabilidade é a operação no Brasil. Eu vendo as franquias e presto treinamento e todo o suporte aos franqueados aqui. Além disso, presto coaching para outros países na América do Sul”, afirma Macedo.

Além do Brasil a ERA mantém másteres na Alemanha, Áustria, Suíça e Ucrânia. O valor investido varia de acordo com tamanho da área determinada e o potencial de desenvolvimento da região. No Brasil já são 17 unidades franqueadas. Em Minas Gerais a busca é por um masterfranqueado.

Franqueadoras brasileiras – A Aquio, rede paulista de franquias especializada em maquininhas de cartão, trabalha com uma outra categoria de masterfranqueado: o Franqueado Desenvolvedor de Área (FDA). Nesse caso, a relação do franqueado unitário é direto com a franqueadora. O FDA é responsável pela venda da franquia e também pelo treinamento e suporte e tem a remuneração em cima dos resultados dos franqueados desenvolvidos por ele, porém o contrato do franqueado é direto com a franqueadora.

Segundo o diretor de expansão da Aquio, Antônio Brizotti Junior, a marca tem atualmente 48 FDAs, sendo sete em Minas Gerais: Belo Horizonte, Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), Sul de Minas, Vale do Aço, Zona da Mata, Triângulo e Norte de Minas.
“Em cada região buscamos primeiro um FDA para depois começar a venda de unidades. Essa é uma estratégia interessante porque faz com que a gente crie um relacionamento muito mais rápido, fique mais próximo dos nossos futuros clientes. A remuneração vem também da performance dos franqueados”, analisa Brizotti Junior.

A rede de imobiliárias Nova Capital, sediada no estado do Mato Grosso também optou pelo master após uma tentativa pouco exitosa de controlar toda da expansão. De acordo com o diretor de Franquias da rede, Richard Deves, para ser um masterfranqueado na região Central de Minas o investimento gira em torno de R$ 1,8 milhão. No Estado cabem três masterfranqueados.

“Quando começamos pensamos em um modelo de expansão concêntrica, partindo da nossa região, seguindo pelo interior do Estado até chegar aos nossos vizinhos e assim crescer pelo Brasil todo. Quando entendemos o funcionamento do master percebemos que poderíamos ganhar velocidade na expansão. Apenas em São Paulo e Minas teremos mais de um master. O objetivo é que cada um deles abra dez unidades até o fim de 2019, totalizando 30 unidades em Minas”, pontua Deves.