Souza recebeu carta da empresa reforçando o interesse - Foto: Raíla Melo/ALMG

Com as obras suspensas nos últimos anos, em função do cenário econômico recessivo brasileiro, a instalação da italiana Fassa Bortolo em Matozinhos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), pode ser retomada ainda neste exercício. Com investimentos de R$ 150 milhões, a concretização da fábrica de cal e derivados depende, no entanto, da aprovação dos vereadores do projeto de lei que prorroga o prazo de construção do empreendimento.

De acordo com o prefeito, Antônio Divino de Souza, a doação de um terreno de 50 mil metros quadrados pela prefeitura à multinacional foi autorizada pela Câmara Municipal de Matozinhos em 2015 com a condição de a obra ser executada em até três anos, prazo que se encerra em novembro próximo. No entanto, conforme Souza, as turbulências econômicas e políticas nacionais dos últimos anos inviabilizaram o investimento.

“A empresa iniciou as obras de terraplanagem e os processos orçamentários, mas foi pega de surpresa com as intempéries econômicas logo depois. Investir em um país com grande retração econômica e instabilidade política e ainda sem segurança jurídica seria um grande risco naquele momento. Passado o período conturbado, agora eles pedem a prorrogação, pois ainda têm interesse em se instalar na cidade”, resumiu o prefeito.

Na última segunda-feira (10), porém, o projeto foi reprovado em primeiro turno, pelos vereadores da cidade. A votação em segundo turno está prevista para dia 18 deste mês. Ninguém foi localizado na Câmara de Matozinhos para comentar o assunto.

O prefeito alertou para a necessidade de conscientização dos vereadores, diante do volume de investimentos e movimentação econômica que a fábrica levará para a cidade. “Eles asseguraram que, uma vez prorrogado o prazo, retomam as obras imediatamente. É importante para o município e para Minas Gerais”, frisou.

A reportagem teve acesso a uma carta assinada pelo presidente da Fassa Bortolo, Paolo Fassa, e enviada ao Executivo Municipal, em que a multinacional reitera a intenção de dar continuidade ao investimento.

“Caso a votação para prorrogação do prazo seja favorável, imediatamente retomaremos o processo de orçamentação e seleção de empresas, e em seguida, confiantes no bom andamento da economia e especialmente do nosso setor, iniciaremos a construção da fábrica”, diz o documento.
Além disso, também na carta, o presidente da empresa se dispõe, em caso de aprovação, a asfaltar uma estrada, adotar uma praça e patrocinar um evento esportivo na cidade.

Implantação – Conforme publicado pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO, na época da aprovação da doação do terreno para a companhia, conversas com a empresa davam conta que o processo de implantação poderia levar até um ano e meio.

Esta será a primeira unidade da Fassa a ser instalada fora da Europa. A companhia está presente na Itália com 16 centros de produção, um centro de produção em Portugal, três filiais comerciais na Itália, três na Suíça, uma na Espanha, uma na França e na Grã-Bretanha, com cerca de 1.300 colaboradores.

A Fassa oferece uma extensa gama de produtos de cal e derivados, rebocos à base de cal e gesso, rebocos à base de cal e cimento, pinturas e revestimentos minerais brancos e coloridos, sistemas de isolamento térmico, produtos para saneamento de paredes e reestruturação, máquinas e acessórios para obras, etc.