Evento na Capital é considerado ideal para que pecuaristas conheçam inovações e avanços da genética das raças leiteiras - Crédito: Divulgação/Megaleite

A 16ª edição da Exposição Brasileira do Agronegócio do Leite (Megaleite), maior feira da pecuária leiteira do Brasil, movimentará, entre 19 e 22 de junho, cerca de R$ 30 milhões em negócios, aumento de 10% frente ao ano anterior. O evento, que será realizado no Parque de Exposições Bolívar de Andrade (Parque da Gameleira), em Belo Horizonte, deve reunir em torno de 2 mil animais, que participarão das exposições, torneios e dos leilões.

A Megaleite reúne também os principais fornecedores da atividade e eventos, como palestras, cursos e debates sobre importantes assuntos voltados para a pecuária leiteira. A feira é considerada um momento ideal para que os pecuaristas conheçam as inovações e os avanços da genética das raças leiteiras.

O evento é organizado pela Associação Brasileira dos Criadores de Girolando (Girolando) e conta com o fomento do governo de Minas, por meio da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) e da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

De acordo com o presidente da Girolando, Luiz Carlos Rodrigues, as expectativas em relação ao evento são positivas. Segundo ele, o atual momento é favorável para a cadeia leiteira, o que vai estimular os negócios ao longo da feira. Além disso, os pecuaristas estão investindo, cada vez mais, na melhoria da genética, o que promove a produtividade e reduz os custos.

“A pecuária de leite e o setor lácteo estão indo muito bem e, por isso, as expectativas são excelentes. Por se tratar do maior evento da pecuária leiteira da América Latina, vamos reunir as várias raças produtoras de leite e mostrar o que temos de mais avançado em relação à genética. É a oportunidade para o produtor investir e conhecer os avanços das raças leiteiras”, disse Rodrigues.

Parque da Gameleira – A estimativa é de que cerca de 70 mil pessoas visitem a Megaleite. São esperadas comitivas de vários estados e a participação de criadores estrangeiros. O evento contará com cerca de 2 mil animais, número que só não é maior devido ao espaço disponível no Parque da Gameleira.

Os exemplares das raças leiteiras Girolando, Gir Leiteiro, Holandês, Jersey, Pardo-Suíço, Guzerá e Guzolando participarão de leilões, exposição e torneio leiteiro. Até o momento, já estão confirmados dez leilões. A tendência é superar os R$ 5 milhões faturados com os leilões na edição anterior.

“Esperamos sensibilizar o governo do Estado e a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para que sejam feitos investimentos e a ampliação do Parque da Gameleira. Nosso evento já está consolidado e só não colocamos mais animais na Megaleite pela limitação de espaço. Trouxemos a Megaleite para a Capital com o intuito de vitalizar o parque e mostrar a importância do Estado na produção de leite. Minas é o maior produtor do Brasil, com uma média variando entre 9,5 bilhões e 10 bilhões de litros de leite ao ano”, explicou Rodrigues.

Dentre os eventos que acontecerão ao longo da feira estão palestras que irão discutir o controle da mastite, recuperação e manejo de pastagens, evolução genética do Girolando nos últimos 20 anos e as perspectivas para o mercado de leite e derivados no Brasil. Também estão previstos o lançamento dos sumários do Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando (PMGG) e do Anuário Leite 2019 da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, unidade Gado de Leite (Embrapa Gado de Leite).

Segundo Rodrigues, nesta edição, um dos destaques será o encontro “Girolando Mulher”. O evento vai reunir criadoras da raça. “É um evento especial, que vai valorizar e reconhecer o trabalho das mulheres criadoras e empresárias”, disse.